Título: Perdão, Leonard Peacock
Título Original: Forgive Me, Leonard Peaccok
Autor: Matthew Quick
Ano: 2013
Editora: Intrínseca
Páginas: 224
Sinopse: Hoje é o aniversário de Leonard Peacock. Também é o dia em que ele saiu de casa com uma arma na mochila. Porque é hoje que ele vai matar o ex-melhor amigo e depois se suicidar com a P-38 que foi do avô, a pistola do Reich. Mas antes ele quer encontrar e se despedir das quatro pessoas mais importantes de sua vida: Walt, o vizinho obcecado por filmes de Humphrey Bogart; Baback, que estuda na mesma escola que ele e é um virtuose do violino; Lauren, a garota cristã de quem ele gosta, e Herr Silverman, o professor que está agora ensinando à turma sobre o Holocausto. Encontro após encontro, conversando com cada uma dessas pessoas, o jovem ao poucos revela seus segredos, mas o relógio não para: até o fim do dia Leonard estará morto. 

Gosto de dizer que existem três tipos diferentes de livros: Há aqueles que você leu e não faz a menor questão de reler; Há aqueles livros que você leu, gostou e quer reler em alguma outra ocasião; E há aqueles livros que você leu, amou e quer reler logo após ter terminado de lê-los. Livros assim mexem com você, te marcam e fazem com que uma simples resenha seja uma das tarefas mais complicadas de realizar. Entendam: Para o leitor que ler livros desse tipo, qualquer resenha que ele faça sobre as obras não será boa o bastante e suficiente para expressar a perfeição das mesmas.


Eu posso afirmar com todas as letras que o livro "Perdão, Leonard Peacock" se encaixa nesse terceiro tipo de livros e posso afirmar também que não será nada fácil resenhá-lo. Essa obra mexeu muito comigo, me deixou emocionado (e quase me fez chorar) em vários momentos e me fez querer fazer uma coisa que há tempos eu não tinha vontade de fazer quando lia algum livro: Entrar dentro da história. Sério! Eu quis muito fazer isso em praticamente todo o livro. Tinha vontade de ficar ao lado do Leonard Peacock, abraça-lo e dizer para ele: "Feliz Aniversário, Leonard! Vai ficar tudo bem..." Pois é pessoal, esse livro me tocou como nenhum outro havia tocado há tempos.

"Eu sei que você só quer que tudo acabe, que não consegue ver nada de bom em seu futuro, que o mundo parece escuro e terrível, e talvez você tenha razão, o mundo pode ser, definitivamente, um lugar apavorante. Eu sei que você mal está suportando. Mas, por favor, aguente mais um pouco. Por nós. Por si mesmo." - página 37

Isso tudo se deve ao modo como o livro é escrito. A narrativa da obra está impecável, dinâmica e viciante! Matthew Quick soube conduzir a história com muita fluidez, agilidade (o livro todo se passa em um dia e tem capítulos bem curtos) e excelentes notas de rodapé. Sem falar que os personagens do livro são extremamente bem construídos e cativantes e o protagonista por si é um dos melhores personagens que já vi em toda minha vida. Leonard é sarcástico, diferente, bem inteligente (ele me fez ver a vida com outros olhos e me fez refletir bastante), solitário e que logo de cara cativa o leitor. Ok, não é logo de cara! No começo do livro a gente sabe pouca coisa sobre o personagem. A única coisa que sabemos é que ele quer matar o seu ex-melhor amigo e logo em seguida se suicidar e bem, isso é errado! Mas com o passar das páginas, Quick vai nos mostrando detalhes e mais detalhes da vida de Leo e fica impossível não gostar do personagem. Conseguimos entender com clareza o porque de o personagem querer fazer uma coisa dessas e está agindo de tal forma. Peacock passou e passa por coisas que ninguém deveria passar, coisas que ninguém conseguiria aguentar com facilidade (Você já pensou como reagiria se no dia do seu aniversário ninguém te parabenizasse? Se ninguém lembrasse de que você estava completando mais um ano de vida? E seus pais? Como seria para você se os dois não dessem a mínima importância para você e sua vida? E amigos? Como seria para você não ter NENHUM AMIGO? Mega difícil, né? E o Leonard passa por tudo isso e muito mais outras coisas horríveis!). Isso faz com que a gente goste dele e torça para que ele consiga encontrar a sua felicidade, mas mudando sua decisão (matar o seu ex-melhor amigo e se matar vai resolver o problema, mas há outras saídas).

"(...) Coma alguma comida exótica da qual nunca ouviu falar. Pare um estranho e peça a ele para lhe explicar em detalhes seus maiores medos, suas esperanças e aspirações secretas, e em seguida diga-lhe que você se importa. Porque ele é um ser humano. Sente-se na calçada e faça desenhos com giz colorido. Feche os olhos e tente ver o mundo com seu nariz — permita que o olfato seja a sua visão. Ponha o sono em dia. Ligue para um velho amigo que você não vê há anos. Arregace as pernas da calça e entre no mar. Assista a um filme estrangeiro. Alimente esquilos. Faça alguma coisa! Qualquer coisa! Porque você inicia uma revolução, uma decisão de cada vez, toda vez que respira." - página 47

Com muita intensidade e acontecimentos de partir o coração de qualquer um, Quick nos conduz para uma trama onde há diversas reflexões sobre o futuro, as pessoas (mais precisamente os adultos), as decisões que tomamos e as segundas chances que damos.

Os personagens, como falei antes, são bem construídos e cativantes. Adorei o Walt (que é vizinho do Leonard e uma espécie de pai para o jovem), o Herr Silverman (que é professor e amigo do Leonard e uma das melhores pessoas que eu já vi na literatura), o Leonard (claro!) e também gostei da Lauren (a garota super religiosa que o Leonard gosta). Em contrapartida com esses personagens, há outros que são bem construídos mas nada cativantes, são eles: Linda (A mãe do Leonard, que só dá importância para o seu trabalho e faz questão de ignorar o seu filho e seus problemas), Asher Beal (O ex-melhor amigo do Leonard, que mesmo sendo uma vítima, é uma pessoa horrível) e o Baback ("Amigo" do Leonard, que é de fato um babaca!).

"(...) Você é diferente. E eu sei como é difícil ser diferente. Mas também sei a arma poderosa que ser diferente pode vir a ser. Como o mundo precisa de tais armas. Gandhi era diferente. Todas as grandes pessoas também. E pessoas únicas, como eu e você, precisam procurar outras pessoas únicas que as entendam, para que não fiquem muito solitárias e acabem onde você acabou esta noite." - página 183 

Uma coisa que me cativa e chama minha atenção é a delicadeza com que o Matthew Quick conduz suas histórias. Aqui há temas bem pesados, mas ele sabe muito bem abordar os temas em sua história sem chocar o leitor e ainda por cima, passar várias mensagens para quem está lendo. Adoraria falar das diversas mensagens que eu encontrei na história e (com certeza) vou levar para a minha vida, mas infelizmente não posso comentá-las por motivos de SPOILERS!


O final do livro é daqueles "em aberto", sabe? E eu achei que ia xingar muito o autor por causa disso (odeio finais em aberto), mas parei para pensar e percebi que um final desses é o mais adequado e poético para o livro. Durante toda a trama de "Perdão, Leonard Peacock" os personagens falam sobre o futuro (como ela vai ser, se vai ser bom ou uma droga) e na minha opinião, mostrar o que de fato aconteceu no futuro do Leonard seria... errr... sem graça! Essa deixa do autor é muito legal, pois gosto de eu mesmo imaginar o que aconteceu com o personagem.

"— Minha vida vai melhorar? Você acredita mesmo nisso? 
— É possível. Se você estiver disposto a fazer com que isso aconteça. 
— Acontecer o quê? 
— Não deixar o mundo destruí-lo. Essa é uma batalha diária." - página 187 

A resenha está ficando enorme, mas eu só vou falar de mais duas coisas: As Cartas do Futuro são o ponto alto do livro (me emocionei muito lendo elas)!; E a edição da Intrínseca para o livro está MARAVILHOSA! :D

Para finalizar, digo o que todo mundo já deve ter percebido: "Perdão, Leonard Peacock" foi um dos melhores livros que li em toda a minha vida! Recomendo esta obra para todas as pessoas do mundo, mas principalmente para aquelas que são diferentes. Todo mundo precisa receber as mensagens que o autor quer passar. O que o Quick tem para nos dizer é transformador e libertador. Tenho certeza que após ler essa obra, você (é, você mesmo que está lendo a resenha) passará a enxergar a si mesmo e a vida com outros olhos...

Nota: 5 de 5 estrelas

43 Comentários

  1. Oi, Tony!
    Entendo perfeitamente o que é fazer resenha de um livro que nos marca desse jeito, pois acabei de ler um, e a sensação é de que nem todas as palavras do mundo serão suficientes para expressar o quanto esse livro mexeu com você.
    Eu acho que você já havia comentado sobre ele aqui, tanto que coloquei ele na lista de desejados por sua indicação. Agora, mais do que nunca, vou querer lê-lo.
    Adorei a resenha.
    Beijos

    Construindo Estante || Curta a fan page
    Sorteio de caneca personalizada de A Culpa é das Estrelas. Participe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eliana! É muito difícil resenhar livros que nos marcaram tanto, né? Foi bem difícil resenhar esse, mas aí está a resenha! rsrs
      Sim, acho que já tinha comentado sobre ele aqui no blog! Ahh que legal, espero que você curta o livro tanto quanto eu curti ele! :)
      Fico feliz que você tenha adorado a resenha! :)

      Excluir
  2. Tony... Já disse que adoro as suas resenhas? *-*
    Fiquei com uma vontade tremenda de ler esse livro e me emocionar tal como você.
    Fiquei curiosa acerca de vários aspectos.. Acho que vou ter que ler o livro e conferir por conta própria, né? :p
    Parabéns pela resenha completíssima <3 Amei!!!
    Beijão ♥

    Thati Machado;
    http://nemteconto.org

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thati! Haha acho que sim! XD E isso me deixa muito feliz, de verdade! <3
      O livro é muito bom e muito emocionante, acho que você também vai gostar dele e se emocionar! Haha sim, você vai ter que ler sim! rs
      Obrigado, fico feliz que você tenha curtido a resenha! :)

      Excluir
  3. Só de ler sua resenha já fiquei com vontade de comprar o livro!!
    Já li muita coisa positiva sobre esse livro e realmente estou louca por ele...
    Adorei a resenha.

    Beijos,
    Juh
    http://umminutoumlivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Juh! Oba, fico feliz que minha resenha tenha feito você ficar com vontade de comprar o livro! Perdão, Leonard Peacock é muito bom, acho que você vai gostar dele! :)

      Excluir
  4. Parabéns pela resenha. Se eu tinha vontade de ler esse livro por causa do autor, agora eu preciso ler ele. Eu te entendo, já passei por isso em algumas resenhas de não conseguir colocar em palavras tudo o que senti lendo o livro.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil! Obrigado, fico feliz que minha resenha tenha aumentado a sua vontade de ler o livro! :) Ahh isso é mega difícil, né? Colocar em palavras tudo o que você sentiu lendo um livro que te marcou muito?

      Excluir
  5. Oi!!
    Não sei se gosto de finais em aberto, mas entendi o que quis dizer!
    Deve ser uma leitura bem pensante mesmo, do jeito que eu gosto!
    Abraços,
    Lu
    http://resenhasdalu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza! Eu geralmente detesto finais em aberto, mas nesse caso eu curti! :) Siiiim, o livro te faz pensar e refletir sobre diversas coisas! :)

      Excluir
  6. Adorei a resenha.... Correndo pra livraria em 3,2,1... hahahah!!

    Tem post novinho no blog, você vai gostar!!

    http://patibborba.blogspot.com.br/

    beijos *.*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patricia! Hahaha fico feliz que você tenha curtido a resenha! :)

      Excluir
  7. Oi Tony,
    Confesso que não gostei muito desse livro, a história é interessante e a narrativa impecável, mas o protagonista me incomodou bastante... entendo as ações do personagem, quem nunca pensou em fazer algo semelhante (é sério... não vai dizer que fui só eu). E acho que o pior era a vaca da mãe dele, isso, com certeza, foi o que desestabilizou ele, ser rejeitado pelo mundo não é novidade, a humanidade está cheia de indivíduos que não se encaixam em lugar nenhum, mas ser rejeitado pela própria mãe é algo terrível e de apertar o coração, também tirei lições do livro, mas em alguns momentos quis dar uma lição no Leonard, dentre as trocentas milhões de coisas ruins que acontecem com o coitado eu já passei por uma ou duas, eu falaria pra ele ser um pouco mais auto-suficiente, ter um pouco de amor próprio, nem que seja só o suficiente para não se matar.
    Sei que cada um reage de um modo diferente às situações que acontecem com ele, mas é como Martha Medeiros diz: A felicidade é uma escolha, e na vida ou você segue, ou você segue, e feliz é aquele que mata no peito as vertigens e os espantos. E diferente da sensação que ele tem dos adultos, usando novamente uma frase da minha gaúcha favorita: "Que a primeira metade da vida é muito boa, mas da metade para o fim pode ser ainda melhor, se a gente aprendeu alguma coisa com os tropeços lá do início."
    Tudo depende de para onde direcionamos as pedras que nos são lançadas, se você foi abandonado pode ficar revoltado e não querer ter aproximação com ninguém, desprezar todos os pais do mundo e se tornar um marginal, pode também cuidar da sua vida e se tornar uma pessoa melhor do que foram pra você, ou pode ainda criar uma espécie de centro comunitário que auxilie crianças que sofrem o mesmo problema que você sofreu.
    Claro que somos influenciados pelo mundo a nossa volta e pelas ações das pessoas que nos cercam mas tudo na vida é uma escolha, você pode remoer suas frustrações pelo resto da vida ou virar a página, levantar do chão, sacudir a poeira e tentar de novo.

    Grande abraço carinha!!!

    Leitor Antissocial

    PS: tá tendo sorteio tá ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caraca, como isso ficou grande o.O

      Excluir
    2. Oi, Rudi! Tudo bem? Olha, eu concordo com você a respeito do Leonard. Em alguns momentos eu também quis dar uma lição no personagem, mas nunca deixei de gostar dele! rs Eu adorei o Leo, ele acabou se tornando um dos meus personagens favoritos! Eu acho que o Matthew Quick quis fazer um personagem assim (tão disposto a se suicidar) para representar os milhares de Jovens da nossa sociedade que cometem o suicídio. Mas em contrapartida a isso, podemos perceber a positividade que o autor sempre coloca em seus livros. Em Perdão, Leonard Peacock temos o Herr Silverman que está a todo momento mostrando ao Leonard que a vida dele pode mudar (se ele quiser e estiver disposto a lutar por essa mudança) e tudo mais. Há uma mensagem positiva por trás disso e tudo, sabe? E é por isso que eu amei tanto o livro. Ah e eu também acho (na verdade torço para) que o Leonard acabou mudando e se tornando uma pessoa melhor e mais feliz. Mas enfim, concordo com vários dos pontos que você citou no comentário (sobre a vaca da mãe dele, com as citações [maravilhosas] da Martha Medeiros e sobre a sua opinião a respeito das pedras que nos são lançadas [penso do mesmo modo que ti]) e entendo o porque de você não ter curtido muito o livro!

      PS: Vou lá participar novamente do Sorteio! rs
      PS 2: Relaxa, eu adoro comentários grandes! :)

      Excluir
    3. Olha... do jeito que acabou o livro, acho difícil que ele tenha mudado de ideia sobre se matar

      Excluir
    4. Aiiii... Será? Fico torcendo para que não! rs

      Excluir
  8. Tony, se eu te falar que nunca li mas também é um dos livros que comprei para ler nesse mês? Então, tive que comprar meio que obrigado pra trabalho da escola mas fui procurar mais sobre o livre e me apaixonei. Sério, depois de eXtraordinário, vou ler ele com certeza! Adorei a resenha, você escreve super bem!!
    Abs - Pedro Ramos
    www.digapedro.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pedro! Sério? Que legal! Tenho certeza que você vai adorar o livro! Fico feliz que você tenha curtido a resenha. Obrigado! :)

      Excluir
  9. Olááá!

    Eu não li esse livro ainda, na verdade não sabia ao certo do que se tratava, mas eu gostei muito do enredo. Principalmente por você querer entrar na história, AMO quando isso acontece.
    Acho que ficaria meio frustada por causa do final, mas seguiria seu conselho e leria sim

    Gostei da sua resenha!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! O enredo do livro é muito bacana e pois é ele realmente me fez querer entrar na história! Por incrível que pareça, não dá para ficar frustrado com o final. Leia mesmo! Fico feliz que você tenha curtido a resenha! :)

      Excluir
  10. Oi, Tony!
    Então... EU QUERO LER ESSE LIVRO AGORA!
    Sério, não tinha o mínimo interesse nesta obra, até porque nunca li nada do autor e não tinha pretensão de começar por este título. Mas acredito que irei amar esta obra. O que você quis passar na resenha pôde ser captado por mim e acredito que realmente seja uma leitura inesquecível. Adorei também os quotes que você escolheu.
    Espero poder ler em breve e amar assim como você.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Leandro! Nossa, fico muito feliz que a minha resenha tenha te convencido a ler o livro e mais feliz ainda quando você disse que o que eu quis passar na resenha pôde ser captado por ti! :) Esses quotes são muito legais, né? Também espero que você possa ler o livro em breve e amá-lo assim como eu amei ele! :3

      Excluir
  11. Olá Tony ^^
    Uma vez tinha visto esse livro para vender mas não comprei pois achei o tema muito pesado e achei que seria uma leitura meio tensa, mas depois que li sua resenha (que está muito boa, parabéns) percebi que não era realmente o que estava imaginando. Agora estou bastante curiosa :D
    Vi que o Matthew Quick te respondeu no twitter :O Que legal heimm!!!

    Beijoxxx.
    Princess of Love ♥ http://maria-gabriely.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maby! O tema é bastante pesado mesmo, mas o Matthew Quick consegue abordá-lo de uma forma bem bacana! Obrigado, fico feliz que você tenha gostado da resenha! :)
      Pois é, ele me respondeu!!! Fiquei bastante feliz com a resposta dele! rs

      Excluir
  12. Olá, Tony.
    Ainda não li este livro, mas quero muito.
    Acho que assim como em Um Lado Bom da Vida o Quick vai me cativar rapidamente. Gosto da intensidade extrema presente nos personagens narrados por ele, acho que com este livro não será diferente.
    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renato! Também acho que o Quick vai te cativar rapidamente! Os personagens aqui também possuem uma intensidade extrema. Acho que você vai adorar o livro! :)

      Excluir
  13. Tony, me senti exatamente como você escrevendo meu último post: com a sensação de que minhas palavras não conseguiriam descrever toda a perfeição do livro que li. Já li "O Lado Bom da Vida" e adorei,e pra ser sincera, não sei ainda por que não li "Perdão, Leonard Peacock". Parece um livro excelente e super dinâmico, como tu mesmo disseste.

    Beijão, Guta!
    www.opinada.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Augusta! Haha acho que todo leitor que faz resenhas já passou por isso, né? rsrs Sim, Perdão, Leonard Peacock é excelente! Espero que você leia e goste dele também! :)

      Excluir
  14. Oi, Tony!

    Olha, vou te contar uma coisa: ô capa feia, viu! Com esse tema eles podiam ter feito uma capa bem mais profunda...eu não curto nada essa capa! Eu, inclusive, deixei de participar do sorteio da cortesia do Skoob porque bati o olho nela e passei direto, nem parei pra ler a sinopse! Depois que li a sinopse me arrependi, claro! Mas em um primeiro momento eu rejeitei o pobre do livro! hahahaha
    Resenha MARAVILHOSA! É nítido o quanto você gostou do livro, senti a sua emoção ao ler a resenha! Deu vontade de ler agora!
    Já imagino um filme, sabia????

    Beijooo
    - Tamires
    Blog Meu Epílogo | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tamires! Haha sério que você acha a capa do livro feia? Eu acho ela bonitinha! rsrs Nossa, obrigado! Fico feliz que você tenha curtido a minha resenha! Espero que você leia e também curta a obra! Olha, vai ter um filme do livro mesmo! Já anunciaram a compra dos direitos do livro e tal...

      Excluir
  15. Oieee! Já ouvi muitas opiniões diversas sobre esse livro. Mas enfim... fico feliz que o livro tenha mexido com você de maneira tão positiva. Realmente quando livro que me toca bastante, passo mal para escrever sobre. kkkkkkk Parece ser bem triste, mas ao mesmo tempo encorajador.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paloma! É muito difícil resenhar um livro que mexe muito conosco, né? rs Sim, o livro é bem triste e encorajador! :3

      Excluir
  16. Ola!
    Pretendo ler este livro. Gostei da sua opiniao.
    Beijinhos desde Espanha e boas leituras. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, tudo bem? Fico feliz que você tenha gostado da minha opinião! Espero que você leia e também goste do livro! Obrigado! :)

      Excluir
  17. Acho que fui a única pessoa que detestou esse livro, pois todo mundo fala bem dele, mas gostei muito da sua resenha, pois através dela notei pontos que eu não tinha notado. http://luxuosoestilo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! Poxa, sério que você detestou o livro? :( Eu adorei ele... Mas enfim, fico feliz que você tenha gostado da minha resenha! :)

      Excluir
  18. Sem palavras para sua resenha. A capa, a sinopse, o estilo, tudo neste livro chama a minha atenção e depois da sua resenha lerei com certeza. obrigado por aumentar a minha lista de desejados!

    Abraços e até!

    http://lendoferozmente.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luan! Nossa, fico muito feliz em saber que minha resenha te deixou sem palavras! O livro é muuuuuuito bom, acredito que você vai adorar ele! :)

      Excluir
  19. Este libro es genial, me decepcionó un poco, pero no deja de ser genial, desde mi punto de vista. :D

    También creo que las cartas del futuro son impresionantes.

    Muy buena la reseña.

    Saludos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola, Yukimaru! Está bien? El libro es realmente genial, ¿verdad? Es una pena que se haya decepcionado con él un poco ... Ah, me alegro de que haya disfrutado de la revisión! :)

      PS: No hablaba nada de español así que tuve que escribir esta crítica por Google Translate! rs

      Excluir
  20. Bem, não seria, pelo conceito básico do objetivo da literatura, esse tipo de reação que os livros deveriam (sempre) nos causar? É muito empolgante ler uma resenha quando essa reação íntima ultrapassa os limites da opinião. Nos faz voltar e olhar para o livro com o canto do olho, como se quisesse confirmar sua qualidade mesmo depois que fechamos a página de sua resenha. E que resenha, hein, a em questão! É notória a sua capacidade de abordar o essencial do livro (ao contrário do que lemos em geral: uma reprodução alongada da sinopse em primeira pessoa), Lucas. Parabéns por nos dar o impulso cego de partir para a livraria mais próxima e comprar o livro.

    Beijos!
    agathaodaisa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Agatha! Sim, esse é o tipo de reação que os livros deveriam sempre nos causar, mas infelizmente não são muitos os livros que acabam causando isso em mim... Ahh fico tão feliz em ler isso. São comentários como esse que me incentivam a continuar e a fazer resenhas cada vez melhores! Obrigado. Espero que você leia e curta a obra assim como eu a curti...

      Excluir