Olá, pessoal! Tudo bem? Então, hoje temos mais uma entrevista aqui no blog! \o/

O entrevistado da vez é o Tiago Rossi, autor de "A Garota do Olho Cor de Cereja" (clique aqui e seja redirecionado para a resenha do livro).

Confiram logo abaixo uma pequena biografia sobre o autor e em seguida a entrevista que fiz com ele:

Designer gaúcho e escritor. Aprecia cinema e todas as outras formas de contar história. Descobriu na literatura uma forma de representar suas ideias, seu objetivo é tentar explorar os sentimentos e o legado que cada texto terá. Espionagem e ficção científica são seus gêneros mais preferidos. Seu primeiro livro é A garota do olho cor de cereja.

1- Primeiramente quero te agradecer por ter aceitado fazer a entrevista. Bom, por que não começamos a entrevista com você se apresentando para os leitores? Conta para a gente: Quem é Tiago Rossi?

Tiago Rossi é um cara que é muito curioso, tem a cabeça BEM aberta. Sou um designer que sonha em ser professor (este fator colabora bastante no fator cabeça BEM aberta). Gosto de compartilhar ideias, adoro estar em família (sou à moda antiga nesse quesito). Sou o amigão, me meto em várias tribos.  As vezes sou até criticado por isso, mas acredito que é isso que me faz ser autêntico, gostar de ouvir, não rotular pessoas. Isso só me faz conhecer mais coisas legais. Sou muito humano, não gosto de me excluir, quase nunca ando pela rua com fone de ouvido. Gosto de sentir o mundo acontecendo ao meu redor. 



2- Todo leitor e escritor tem uma história sobre quando começou a se apaixonar pela literatura, certo? Qual a sua? Quando você se apaixonou pela literatura e decidiu que queria ser escritor? 


Assistia muitos desenhos animados e séries japonesas, também lia algumas histórias em quadrinhos. Outra coisa que adorava (e ainda adoro) são os videogames. Mario Bros foi meu mentor. Percebi ali que histórias chamavam a minha atenção. Mas nunca tinha me aventurado em livros. Tinha medo deles. A escola colocava mais medo ainda, pois nos obrigavam a ler coisas que não gostávamos. Então meu processo de ler livros era lento, arrastado. Só com 15,16 anos que tive coragem e fui atrás de ler um livro inteiro. Foi o 1º Harry Potter. Demorei para ler, mas fiquei tão fascinado pelo poder da literatura que logo pensei: “- Meu Deus, é a mesma sensação que tive quando vi o filme, mas prolongada por muito mais tempo. E é muito melhor por sinal!”. Foi aí que percebi que os livros não eram malvados. E desde então comecei a ler sem parar, antes eram só livros de fantasia, agora leio todos. Até os “chatos” que as professoras pediam para nós lermos nas aulas. A história de ser escritor começou quando tinha a vontade de contar a história baseada em um sonho que eu tive, de um cara que sonha desde a infância com uma garota. Naquela época desenhava e escrevia por hobby algumas histórias em quadrinhos, mas como estava na fase dos livros, pensei. E se essa história fosse um livro? O contato dela com o leitor seria por muito mais tempo. Foi ai que decidi ser escritor. Hoje já não consigo me imaginar sem ser escritor, designer e professor. Achei meu propósito!


3- Como você vê o atual cenário literário brasileiro? Em comparação com o de alguns anos atrás, você vê melhorias nele? Ser escritor no Brasil continua sendo difícil?

Confesso que tinha muito preconceito com os escritores nacionais. Achava que livro bom era livro estrangeiro. Ainda mais se tratando de literatura fantástica. Pois bem, levei um tapa na cara quando conheci o livro do Eduardo Spohr A Batalha do Apocalipse. Logo depois conheci os livros do Raphael Draccon. De uns 10 anos pra cá houve uma explosão de escritores nacionais. E realmente, fico muito feliz com isso. Pois esse preconceito que tinha quando era mais novo foi para o espaço. A nossa literatura é muito rica, e admirada por muita gente de fora. Temos que continuar a produzir ainda mais. Vou até desafiar (no bom sentido) o leitor que está lendo isso. Se você tem interesse de escrever, escreva. Não tenha medo, não se ache incapaz, Leia bastante, estude e construa sua história linha por linha. Você vai conseguir.


Sobre ser escritor no mercado brasileiro, acredito que depende do ponto de vista. Hoje temos várias plataformas que ajudam a publicar trabalhos: Programas do governo, grupo de autores pela web, patrocínios com empresas etc. Entrar em uma editora (que considero tradicional) acredito que é ainda bem restrita. Ainda mais agora que essa porta ficou mais pequena e disputada, temos muitas pessoas legais fazendo seus livros. Mas isso não quer dizer que vejo isso como algo desanimador, mas sim desafiador. Como aprendi com um amigo, o não nós já temos, só precisamos transformá-lo em um sim.


4- Você e vários outros autores costumam fazer parcerias com blogs, não é? Queria que você me contasse sobre o papel dos blogs literários na sua carreira como autor!

 
Os blogs são a peça chave para nós conseguirmos espalhar nossa voz. Sem vocês não existiriam novos autores. Fico feliz que cada vez mais as editoras e outros canais estão voltando os olhares e respeitando a opinião de vocês. Gostariam que eles conseguissem olhar ainda mais, mensurar o interesse dos leitores através destas plataformas. Livros para as editoras não deixam de ser investimento. Por isso eles tem que ter certeza se a ideia é realmente boa. 



5- A trama de “A Garota do Olho Cor de Cereja” é bem complexa.  Envolve FBI, Conspirações nucleares... O que quero saber é: Foi muito difícil elaborar a trama do livro?

Foi um trabalho desgastante, mas muito legal de fazer. Demorei uns 5 anos entre criar o universo e escrever a história (escrever levei só uns 2 anos). Como sou designer utilizei muito o método de design para construir a história. Várias análises, ferramentas de criação para criar os conceitos, tramas, sub tramas, cenas. Quando eu tinha tudo pronto, comecei a escrever.



6- Falando em “A Garota do Olho Cor de Cereja”, você poderia nos contar sobre o processo de criação do livro? De onde surgiu a ideia de escrever a obra?


O conceito surgiu quando tive um sonho, me lembrava de alguns relances visuais. Mas o plot era de um rapaz que sonhava desde a infância com uma garota. Comecei a desenvolver a ideia gerando alternativas de cenários (Aonde a história se passaria? Como ela deveria ser? Qual era o conceito dela? Que tipo de ponto de vista eu deveria ter nela?) eis que surgiu tratar uma aventura com um quê de Lara Croft, misturando o ponto de vista da espionagem. Me lembro como se fosse ontem a frase que praticamente finalizou meu processo criativo: O que aconteceria se 007 descobrisse Hogwarts? Isto ficou muito forte na minha cabeça. Então desde aquele dia, sabia que A garota do olho cor de cereja seria uma história de aventura, ciência, mas no tom de filmes de espionagem.

Trato o processo de escrever como descrever cenas de filmes. Consigo pegar os momentos e ir trabalhando-os. No fim desse processo tenho uma história bem legal. Releio todo o livro para ver se deixei algo perdido no meio. Esse processo pode se repetir para eu ligar algumas pontas soltas, ou deixa-las de propósito. Me divirto fazendo isso. É muito legal!



7- Qual a maior dificuldade em criar uma obra que mescla Ficção Científica com Fantasia?


Estabelecer as regras de como funciona. Vai ser um mundo realista? Totalmente fantasioso? Vai usar algo que existe de verdade? Esses questionamentos realmente devem fazer parte do processo criativo da história. Essas “leis” devem ser eleitas antes de começar a escrever, ou senão você terá uma dor de cabeça tremenda na hora de revisar. No meu caso escolhi o caminho de usar a roupagem realista fundindo fatos reais. Tive meus momentos de suor. 



8- Você gostaria de falar um pouquinho mais sobre “A Garota do Olho Cor de Cereja” e dizer por que as pessoas devem lê-lo?


A garota do olho cor de cereja narra a história de um professor e escritor chamado Rusty Ford, que sonha com uma garota desde sua infância. Em um determinado momento de sua vida, a conexão com aquela garota fica muito aflorada, e ele decide tentar encontrar algo que explique aquilo. Sem querer ele acaba entrando em uma conspiração existente desde a Segunda Guerra Mundial. Com sua vida em perigo ele acaba cruzando o caminho com o agente do FBI Dwayne Ward e uma agente Russa chamada Vesper Milenova. Os três acabam tendo que se unir para sobreviver e descobrir quem é a garota do olho cor de cereja.


Recomendo o livro para pessoas que gostam de aventuras, que sofrem com suspense e se maravilham com situações que desafiam os limites da ciência. Se você assistiu Inception (A origem 2010) e Interstellar (2014), ou a série LOST, vai adorar meu livro. Outro ponto forte do livro é a ligação entre o trio, que acabam se conhecendo e se tornando grandes amigos. É uma história surpreendente, fiz com muito amor e quero que ela inspire outras pessoas a contarem suas histórias. Esse é um dos motivos pelo qual eu escrevi um livro. Provar para mim mesmo que com esforço, foco e determinação conseguimos superar tudo.


9- E sobre os seus próximos projetos? O que você pode nos contar a respeito deles?


Atualmente estou escrevendo a sequência de A Garota do olho cor de cereja, estou muito feliz de poder revisitar o universo que construí. Essa história no meu ponto de vista é o meu “Império Contra-Ataca”, uma mistura de MC Escher com 007 contra Goldfinger. 


Sobre projetos além deste, tenho desenvolvido alguns contos pontuais, desejo ilustrá-lo e publicá-lo futuramente. Tenho também outro livro (mas este está na geladeira por enquanto), um Romance.


10- Por último, gostaria que você deixasse um recadinho para os seus fãs e leitores aqui do blog! Ah, e mais uma vez te agradeço por ter topado fazer a entrevista. Foi um prazer te entrevistar, Tiago! :)

É um prazer poder conhecer pessoas tão legais como você Tony, tudo seria muito mais fácil se existissem mais pessoas como você nesse mundão. Imagina um abraço enorme, agora multiplica por milhões, essa é a minha gratidão. Nunca desista de escrever, tem muita gente legal ai que está em casa e não tem confiança em seu potencial. Abra a janela e voe, tem um mundo em festa te esperando. Leia bastante, faça muitas amizades, exerça sua crítica, mas nunca julgue algo pela capa, por rótulos. Conheça antes para depois ter sua opinião. Respeite as diversidades, outro ponto forte para viver feliz. Termino com uma frase retirada do meu livro, dita por Rusty em um momento bem importante da trama: “A única diferença entre realizar e não realizar alguma cosia, é ter ou não ter vontade de realiza-la.”



Tiago Rossi na web: 

Blog: http://www.universoalemdasfronteiras.com/ 
Facebook: https://www.facebook.com/tiago.potter.5
Instagram: https://instagram.com/tiago.potter.5/


E aí, gostaram da entrevista? :)

22 Comentários

  1. Ai socorro amei a entrevista não conheci o autor, nem o livro (sorry) mas agr fiquei super ansiosa para ler! Boa sorte aos dois bjsssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isis! Fico feliz que você tenha curtido a entrevista! :)

      Excluir
  2. Achei esse Tiago Rossi muito demais! Li a entrevista que fez com ele e pude sentir a vontade de ler o livro por tudo o mais. Livros inspirados em sonhos são, são muito tops. Gostei de ler que ele gosta de sentir o mundo e quase nunca anda com phones de ouvido. kkkkk

    Quero ler. Vou ler. Não me segura.

    http://gabryelfellipeealgo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabryel! Pois é cara, o Tiago é demais mesmo! :) Leia o livro mesmo, acho que você vai adorar ele! :D

      Excluir
  3. Olá, Tony.
    Lembro que me interessei pelo livro do autor, só não gostei de saber que eram quatro hehe. Parabéns por mais essa entrevista. Que legal que ele começou muito bem sua vida de leitor hehe. Gostei bastante da sinceridade dele, a maioria não teria coragem de falar que tinha preconceito com os livros nacionais.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil! Obrigado! Pois é, também gostei da sinceridade dele! :)

      Excluir
  4. Olá, Tony. Tudo bem?
    Adoreia entrevista. Não conhecia o Tiago Rossi, mas gostei muito de conhecer.
    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renato! Tudo ótimo e contigo? Fico feliz em saber que você curtiu a entrevista! :)

      Excluir
  5. Oi Tony!

    Adorei a resenha do livro, eu realmente não conhecia e muito menos o autor. Que bom que ele está escrevendo uma sequencia. Vou marcar o livro aqui na minha lista, com certeza quero ler em breve.

    Beijos!

    Cintia
    http://www.theniceage.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cintia! Anote mesmo e leia, "A Garota do Olho Cor de Cereja" é muito bom! :)

      Excluir
  6. Gostei demais da entrevista com o autor e concordo quando ele diz que entrar numa editora tradicional tornou-se desafiador. Afinal, com a facilidade de publicação independente, a gama de autores cresceu demais, logo todos buscam o mesmo objetivo. Isso é excelente para a literatura nacional, mas obriga os escritores a se esforçarem muito mais.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de setembro. Serão dois vencedores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marcos! Fico feliz que você tenha gostado da entrevista e pois é, também super concordo com o que o Tiago falou!

      Excluir
  7. Olá!!

    Eu não conhecia o autor mas eu gostei muuuito dele. Super simpatico e falou super bem da forma como começou. Realmente os livros de colégio assustam hahahah eu não curtia não. E Gente, que inspiração maluca foi essa? Adoreeeei!

    Como não conhecia a obra, fiquei bem curiosa para ler e espero encontrar por aqui!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! Pois é, o Tiago é super simpático e muito gente boa! Adoro ele! :) Espero que você possa ler "A Garota do Olho Cor de Cereja" em breve!

      Excluir
  8. Oi, Tony ony! Tudo bem contigo, moço?

    Eita! Segura o meu forninho, porque ele acabou de cair com essa entrevista. Que demais! Adorei as suas perguntas e a maneira do autor de respondê-las, sendo super simpático e aberto. Não conhecia a sua obra e vou dar uma espiada na resenha depois para saber um pouco mais.

    Ps: me inspirei em muita coisa que ele disse sobre o potencial que cada um possui dentro de si. Ótimo relembrar isso!

    Um beijo,
    Doce Sabor dos Livros docesabordoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jeni! Tudo ótimo e contigo? Ahhh fico feliz em saber que você achou isso da entrevista! hahaha A obra dele é ótima, vale super a pena ler! :)

      Pois é, é ótimo relembrar isso!

      Excluir
  9. Olá Tony!
    Não conhecia nem o autor nem a obra, mas adorei conhecer! Os dois parecem ser incríveis *-* Fiquei bem curiosa com o livro haha Ótima entrevista!
    Beijos, Nathália
    https://livrosdagarotavermelha.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nath! Ah fico feliz em saber que você tenha curtido a entrevista! :)

      Excluir
  10. Uma vontade: conhecer esse autor. Ele me pareceu extremamente simpático, e até me identifiquei no fato dele dizer que tinha preconceito com autores nacionais. :/

    xx,

    Alfrêdo
    http://www.paginou.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alfrêdo! Pois é, também tenho essa vontade! Ele pessoalmente deve ser ainda mais simpático! :)

      Excluir
  11. Oláá Tony, tudo bem??
    Mds amei essa entrevista, a resenha e a premissa do livro, parriu economizar, apesar do livro ter continuação (algo que eu não gosto muito rsrsrs) me interessei pelo livro! *----*
    Parabéns pela entrevista e pela resenha!
    Bjoos

    Jovem Literário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eloísa! Tudo ótimo e contigo? Ah obrigado, fico feliz que você tenha gostado da entrevista e da resenha do livro! :)

      Excluir