Título: Cujo
Título Original: Cujo
Autor: Stephen King
Ano: 2016
Páginas: 376
Editora: Suma de Letras
Sinopse: Frank Dodd está morto e a cidade de Castle Rock pode ficar em paz novamente. O serial-killer que aterrorizou o local por anos agora é apenas uma lenda urbana, usada para assustar criancinhas. Exceto para Tad Trenton, para quem Dodd é tudo, menos uma lenda. O espírito do assassino o observa da porta entreaberta do closet, todas as noites. Você pode me sentir mais perto… cada vez mais perto. Nos limites da cidade, Cujo – um são Bernardo de noventa quilos, que pertence à família Camber – se distrai perseguindo um coelho para dentro de um buraco, onde é mordido por um morcego raivoso. A transformação de Cujo, como ele incorpora o pior pesado de Tad Trenton e de sua mãe e como destrói a vida de todos a sua volta é o que faz deste um dos livros mais assustadores e emocionantes de Stephen King.

*Exemplar cedido pela editora

Com Cujo, chego a conclusão de que Stephen King também erra e decepciona.


Sim, eu achava que o autor não errava. Havia o colocado num pedestal e chegava a dizer para algumas pessoas que ele era o melhor autor do mundo e que provavelmente tudo que ele já escrevera era maravilhoso. Mas aí li Cujo e percebi que a frase que costumamos ouvir com frequência ("Ninguém é perfeito") é a mais pura verdade.

O livro publicado originalmente em 1981 que tem como principal premissa um cachorro da raça São Bernardo atacando habitantes de uma pequena cidade é bastante enfadonho e arrastado. E não é difícil descobrir os motivos que levam Cujo a ser tão entendiante. O principal deles está estampado logo no início: o livro não tem capítulos. A história começa com uma página contendo um "Era uma vez," e pronto. Não há mais nenhum capítulo. Aqui e acolá há uns espaçamentos e asteriscos dividindo as trocas de cenas, mas nada parecido com o final de um capítulo para outro.

"O mundo estava cheio de monstros e todos eles conseguiam morder os inocentes e os descuidados" - página 326

Esse foi o principal fator que fez com que eu demorasse tanto para engatar e concluir a leitura. Além disso, há uma série de subtramas bem desnecessárias que em quase nada contribuem com o desenvolver da história. Muito do espaço dedicado para as tramas dos Cambers, até mesmo as dos Trentons e principalmente a do Steve Kemp poderia ser facilmente tirado da obra e não iria fazer falta alguma para o leitor. O tempo todo tive a impressão de que King estava enchendo linguiça e adiando de forma interminável o clímax da obra e tal adiamento me incomodou ao ponto de eu querer largar o livro.

O destaque que é dado desde o início para o serial killer Frank Dodd me pareceu desnecessário. Sua ligação com Tad não é explicada e nem ficou claro para o leitor se o "monstro" do closet do garoto é de fato o espírito de Dodd.

"As duas descobriram que não havia problemas em abrir os closets... contanto que não resolvessem remexer no que estava no fundo, porque o passado podia estar à espreita, pronto para morder." - página 327

Acho que deu para perceber que o livro me incomodou em vários pontos, né? Mas, acreditem se quiser, eu acabei gostando de algumas coisas. A escrita de Stephen King continua me agradando, as cenas de tensão onde Cujo está prestes a (literalmente) devorar um personagem são agoniantes, chocantes e fazem com que a gente esqueça dos pontos negativos do livro e tem a edição de luxo da Suma de Letras que é simplesmente divina. Além da capa dura e um trabalho gráfico muito lindo, há uma entrevista bem interessante com o Stephen no final do livro.

Com alguns pontos negativos e poucos positivos, Cujo é uma leitura "ok". Não é um livro ruim, mas também não chega a ser ótimo.


Nota:


27 Comentários

  1. Oi, Tonyzinhoooo

    Bom, já debatemos no grupo e eu já disse que curti, apesar de também ter algumas ressalvas. A falta de capítulos não chegou a me incomodar porque achei os espaçamentos confortáveis, então dava para fazer aquela pausa básica.
    Eu curti a leitura e pude tirar algumas lições dela, mas é normal a gente curtir muito um autor e se decepcionar com ele em dado momento!

    Adorei a foto do armário! Hahaha

    Beijo
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tami! É super normal, né? Acontece nas melhores famílias hahahaha Que bom que curtiu! :)

      Excluir
  2. Oi Tony,
    Adivinha quem adorou o livro? o/
    Super concordo que o tal do Frank Dodd é desnecessário, mas ele foi usado para incluir o livro no "multiverso King" Também desnecessário, pois só o fato de se passar em Castle Rock já seria suficiente para ligar esse livro a outros.
    Gosto das subtramas, achei interessante a história dos Cambers e o amante rejeitado teve seu peso na história, para causar mais desespero no personagem, pai do Tad, que já esqueci o nome.
    Na biografia do autor tem parte de uma entrevista na qual ele fala porque decidiu terminar o livro com aquele caso, a falta de capítulos também me irritou um pouco, vi o alguém falando que era pra que fosse lido em um fôlego só (o que, convenhamos, é impossível)
    E sobre a história ser meio viajada, lembremos que o autor estava tão drogado quando escreveu que disse que não tem nenhuma lembrança de escrevê-lo... é, ninguém é perfeito (Sim, tem livros dele que detesto: Doutor Sono é um exemplo)

    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah,
      Soube que o próximo livro que será publicado na coleção Biblioteca Stephen King será A Hora do Lobisomen, que é, por consenso quase geral, o pior livro que o autor já escreveu, não posso opinar, ainda não li

      Hiattos

      Excluir
    2. Oi, Rudi! Ahhhhh então tem um livro só sobre a história do Frank Dodd, é? Estava por fora disso. O nome do pai é Vic e achei a história com o amante muito chata rs E aí? Vai ler A Hora do Lobisomen? Aquela capa tá linda! *--*

      Excluir
  3. Oi, Tony!
    Ah, gente, que pena!
    É triste quando a gente se decepciona com um autor que gosta tanto, né?
    Já ouvi elogios a Cujo e ouvi críticas.
    Eu ainda não li nada do King, porque sou meio medrosa, hahaha, mas tudo bem.
    Livros sem capítulos me incomodam. Incomodam muito. Eu gosto dos fechamentos, hehe.
    Foi assim comigo em Ensaio Sobre a Cegueira. Nem fim de frase tinha! Socorro!


    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com
    www.livrosdateca.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Teca! Sim. Muito triste! Caramba! :O Nem fim de frase? kkkk Que horror.

      Excluir
  4. Oi Tony
    Que pena que vc não curtiu o livro, é tão ruim quando isso acontece. Nossa, livro sem capítulo é chato mesmo, eu estava curiosa por este livro e agora fiquei na dúvida. Mas quem sabe eu leia, depois te conto o que achei.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nessa! Livros sem capítulos são muito maçantes! Odeio rs

      Excluir
  5. Olá, Tony.
    Eu já sabia disso já que gosto mesmo é deu uns quatro livros do autor que li entre uns vinte hehe. Eu achei essa edição muito linda mas agora sabendo desse negocio dos capítulos não sei se quero ler ele. Eu acho que esse tipo de coisa só atrasa as leituras.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil! Atrasa muito. Demorei meses e meses para terminar Cujo!

      Excluir
  6. Oi, Tony.
    Ninguém é perfeito mesmo, né? Até os gênios erram algumas vezes.
    Por tudo isso que você escreveu na resenha eu não leria o livro.
    Tem até os aspectos positivos nas descrições agoniantes e de tensão que antecedem os ataques.
    Abraço.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
  7. Oi Tony! Eu tenho dificuldade em ler livros sem capítulos, então eu entendo. Não li o livro ainda, mas antes de morrer quero ler todos do King rsrsrsrsr Bom que agora já sei o que esperar.

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante
    Sorteio A guerra que salvou a minha vida

    ResponderExcluir
  8. Oi Tony,
    É... Vou deixar passar. Eu ainda não consegui me aventurar pela literatura do Stephen King, mas não acho que seria por esse que começaria.
    Ainda mais por ser um gênero que não me atrai tanto.
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ale! Começa por Carrie! Comecei por ele.

      Excluir
  9. Oi Tony, tudo bem?
    Gostei da sinceridade! É triste quando um autor que amamos decepciona, mas né, somos todos humanos. Não pretendo ler Cujo, mas de fato a edição tá linda.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Priih! Tudo ótimo e contigo? Sim, somos todos humanos e errantes.

      Excluir
  10. Olá, Tony. Como vai?
    Então, devo confessar que vindo de você, já esperava uma crítica mega positiva. Mas gostei bastante de ter trazido seu ponto de vista real sobre a obra. Lembro de ter lido inúmeras resenhas positivas sobre o King, mas sempre há a primeira vez, não é mesmo? Também tem que se ter em vista que Cujo foi uma decepção de tantos livros ótimos do autor, ou seja, ele tem obras fantásticas e vai continuar sendo um excelente autor. Bela resenha!

    Até mais. https://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renato! Vou bem e você? Exatamente. Não é porque me decepcionei com ele com esse livro que não sou mais fã dele... Obrigado.

      Excluir
  11. Oi Tony,
    Nossa, vou te confessar que não gosto muito dessas histórias que animais atacam pessoas. Nem em filmes. Então, já começaria a ler Cujo com pé atrás. Uma pena que tenha te decepcionado, porém se sobressai nas cenas tensas, AINDA BEM haha

    Já assistiu a adaptação? De repente te agrada mais :D

    tenha uma ótima semana :D
    Nana - Canto Cultzíneo / Novo Twitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nana! Também não curto tanto assim histórias de animais atacando pessoas. Eu vi uma cena da adaptação e achei meio tosca kkk

      Excluir
  12. Olá, Tony!
    Eita, uma pena não ser tudo aquilo que você esperava. Mas é fato, ninguém é perfeito e nem tudo agrada a todos. Mas eu achei a estória em si interessante. Talvez dê uma chance um dia haha
    Beijos, Garota Vermelha
    Beijos, Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nath! Caso dê, me conte o que achou, tá?

      Excluir
  13. E aí Tony, beleza?

    Pois então cara. Eu acabei gostando do livro. Não sei, acho que sou meio "baba-ovo" do King, haha, porque, apesar de concordar com você quando diz sobre as várias subtramas desnecessárias, isso não me incomodou, e talvez a funservice (é assim que se escreve?) de mencionar Frank Dodd e outras coisas referentes as suas outras histórias me agradou muito.

    Outra coisa: eu fiz uma resenha deste livro e acabei "surrupiando" uma foto sua pra publicar no meu blog (citando a fonte e tals). Caso seja do seu desagrado e tu queiras que retire, é só me dar um toque, ok?

    Abraços.

    http://ricardobernardo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ricardo! Tudo beleza e por aí? Creio que seja fanservice. Não leio King há tanto tempo, sabe? Então nem sabia quem era o Frank, portanto isso me incomodou. E não precisa se preocupar quanto a foto. Pode deixar ela lá! ;)

      Excluir