Título: Por Lugares Incríveis
Título Original: All the Bright Places
Autora: Jennifer Niven
Ano: 2015
Páginas: 336
Editora: Seguinte
Sinopse: Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.

Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

*Exemplar cedido pela editora

Atenção: Esta resenha pode conter spoilers!

Em Julho de 2014 meu pai se suicidou. Nunca soubemos o porquê. Ele simplesmente foi embora, sem deixar recado, e nunca mais voltou. Isso mexeu comigo, sabe? Até hoje lembro com exatidão do momento em que recebi a notícia do que ele havia feito e do seu velório. É como Jennifer Niven fala em uma nota no final do livro: "A cada quarenta segundos, alguém no mundo se suicida. A cada quarenta segundos, quem fica tem de lidar com a perda." Eu, assim como a autora, me encaixo nessa última categoria. E é por ter uma história com o suicídio que li "Por Lugares Incríveis" com outros olhos. O tempo todo procurei por verdade na retratação dos dois lados da "moeda" e reconheço que Niven retratou de forma brilhante o drama de quem tem que lidar com a perda, mas o mesmo não aconteceu com quem se suicida.

 
Eu não consegui entender o personagem que se suicida. Durante boa parte do livro eu me vi nele, pois muitos dos problemas dele eu também tenho. Mas eu, Tony Lucas, nunca pensei em me suicidar. Antes que alguém me diga que eu sou forte e que o personagem do livro é fraco, tem doenças e tudo mais, eu contesto. Do ponto de vista narrativo, em nenhum momento da história fica explícito que o personagem tem uma doença. Niven deixa tudo implícito. E é por não expor e deixar claro os motivos que levaram ele a se matar que me decepcionei/irritei tanto com a obra.

"— Senhoras e senhores — grito —, gostaria de apresentar-lhes a minha morte!
Talvez o esperado fosse dizer “vida”, já que acabei de despertar, mas é exatamente quando estou desperto que penso em morrer." - página 12

Detesto fazer comparações, mas nesse caso é preciso fazer. O livro "Perdão, Leonard Peacock", de Matthew Quick, também é sobre suicídio. E nele, Quick consegue passar para o leitor toda a dor e sofrimento pelo qual o protagonista passa. Você entende ele e, mesmo sabendo que é errado, até vê razão em ele fazer o que pretende. E no final, há uma mensagem tão linda e esperançosa para o leitor! Por isso que amo o livro e o considero um dos meus favoritos. Nada disso acontece na obra que resenho neste momento. O final de "Por Lugares Incríveis" é mórbido, vazio e desprovido de qualquer tipo de esperança.

"Tento contornar a interrupção inesperada para salvar uma vida e voltar ao que estava fazendo. Por um minuto, sinto uma paz conforme minha mente se aquieta, como se eu já estivesse morto. Estou leve e livre. Nada e ninguém a temer, nem eu mesmo." - página 16

O que salva tudo é Violet. Ela é forte, linda, inteligente, talentosa e especial. Uma das melhores personagens que tive o prazer de conhecer. E a garota passa por tanta coisa... Tanta coisa... Que no final a minha vontade era de abraçar ela. Já Finch, bem, não tenho muito o que falar dele. O garoto foi uma decepção e não o perdoo pelo o que ele fez Violet passar.

"Não sou perfeita. Tenho segredos. Sou uma bagunça. Não só meu quarto, mas eu mesma. Ninguém gosta de bagunça." - página 48

Os outros personagens mal têm tempo de aparecer. O foco todo está mesmo em Violet e Finch. Mas gostei muito de Brenda.

Como ponto positivo do livro destaco os lugares incríveis de Indiana que são mostrados no decorrer da trama. A autora descreve eles de uma forma tão apaixonante que fiquei com muita vontade de conhecê-los. O melhor de tudo? Eles de fato existem! No final há um mapa e notinhas sobre cada lugar citado na obra. Quem vai comigo conhecer todos os lugares incríveis de Finch e Violet?

"— Não dizem que não existe hora melhor do que agora? Você melhor do que ninguém deveria saber que só o agora é garantido." - página 78

A edição da Seguinte está perfeita. A capa é muito linda, a tradução e revisão estão ótimas (Não encontrei nem um errinho sequer), e a diagramação é impecável. Gostei muito também de umas informações adicionais que são inseridas no final do livro (há uns sites e números de ONGs brasileiras que podem ajudar quem passa por problemas parecidos com os dos personagens).


Em suma, "Por Lugares Incríveis" é um bom livro e só. Não encontrei a perfeição que tanta gente fala dele, mas apesar de tudo, gostei do que li. Foi uma leitora boa e marcante.
 
Nota: 


50 Comentários

  1. Oi, Tony!
    Acho que é a primeira resenha "negativa" que li sobre o livro, mas que bom que o livro não foi de todo ruim.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de seis anos de Caverna Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza! Pois é, ele não foi de todo ruim.

      Excluir
  2. Olá, Tony.
    Diferente de você, eu gostei muito desse livro e me envolvi com ele entendi o Finch. Acho que por você ter passado por algo parecido e por já ter lido um outro livro sobre o assunto, você leu ele com outros olhos. Mas é um assunto muito dificil mesmo e já aconteceu com uma pessoa bem próxima e não vi sinais nenhum do que ia acontecer também. É dificil entender.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil. É, talvez tenha sido isso mesmo. E é extremamente difícil de entender isso, né? :/

      Excluir
  3. Olá tonyyyy. É a segunda resenha que leio desse livro e ainda odeio a capa u.u É um assunto muito bom quando se é abordado e é algo que as pessoas deveriam falar mais. Quando o autor avacalha em ficar só em dois personagens deixa a trama menos real em minha opinião, uma pena que não é tao legal


    bjs, Carol | Espilotríssimo
    http://carolespilotro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol! Sério que você odeia a capa do livro? Eu amo ela! E sim, concordo com você sobre isso.

      Excluir
  4. Oi Tony,
    Eu passei por uma situação pessoal parecida com a da Violet.
    Acho que isso me aproximou da história em um nível intenso.
    Foi um dos livros que mais me derrubou. Sou apaixonada pela história.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Tony.
    Esse tema é bem delicado e talvez tenha sido proposital dar maiores explicações para a morte do personagem, afinal o suicídio muitas vezes não faz muito sentido.
    Vi outras resenhas positivas sobre o livro, então me pareceu um bom livro.
    Também achei a capa linda.
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Diego! É, pois é. Talvez isso tenha sido proposital mesmo...

      Excluir
  6. Oi Tony
    nunca li esse livro,mas sempre tive vontade,tenho um certo medo de lê-lo e me decepcionar com a leitura, gostei de sua premissa.

    Abraços;**
    http://febredelivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria! Quando você ler ele me fala o que achou, tá?

      Excluir
  7. Helloo, lucas! Tudo numa nice?!
    Quanto tempo, hein! Bem, eu li esse livro em 2015 e fiquei totalmente destruída. Com a estória, um ponto que você ressaltou e que também percebi na estória é que a autora deixou somente implícito que o Finch era bipolar e meio que as coisas não fizeram sentido para mim e eu fiquei super chocada e espantada. Enfim, eu gostei da obra, mas concordo com suas considerações.
    Beijin...
    Pieces of Alana Gabriela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alana! Tudo sim e por aí? Verdade. Exatamente! Ela deixa implícito e eu não gostei muito disso...

      Excluir
  8. Oi Tony!

    Nossa, sinto muitíssimo pela sua perda. É muita coragem sua falar sobre isso abertamente aqui para nós. Não aconteceu comigo, mas Por Lugares Incríveis acabou me tocando muito. Às vezes a gente não sabe o que a pessoa realmente sente e pensa de verdade, mas entendo o porquê de você não ter entendido o personagem.

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! Obrigado. Isso é bem interessante, né? As diferentes formas que cada um de nós usamos para interpretar o livro...

      Excluir
  9. Oi Tony

    É sempre bom encontrar uma resenha que mostre os pontos negativos da narrativa, e o que você relatou é extremamente importante.
    Confesso que me desanimou um pouco, mas me reanimei quando li que você gostou da Violet.
    Eu amo personagens fortes, que passam por muita coisa e ainda conseguem abraçar a esperança.
    Livros que abordam o suicídio eu li poucos: As vantagens de ser invisível (não achei as maravilhas que todos falaram, sorry); Os 13 porquês (gostei, mas achei um pouco frustrante, é um livro post mortem, acho que você pode compreender o sentimento hihi) e As virgens Suicidas (esse livro é excelente. Nossa, muuuito bom!).

    Mas, se eu conseguir Por lugares incríveis por um bom preço, eu compro e confiro.

    Abraço.
    Alana Marques
    colecionadoresdelivross.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, perdoe-me a negligência, sinto muito pelo que você também já passou.
      É uma coisa que mexe demais com a gente e as palavras nem sempre são boas o suficiente para expressar tudo o que sentimos (ou necessitamos compreender) ou para nos confortar.
      Fique bem!

      Excluir
    2. Oi, Alana! Primeiramente, muito obrigado. Segundo, sugiro que você leia Por Lugares Incríveis e me conte tudo o que achou dele. Combinado? E ah, amo As Vantagens de Ser Invisível! <3

      Excluir
  10. Ooi Tony,
    Realmente sinto muito pela sua perda, perder alguém tão querido para nós é o maior desafio e a parte mais difícil da vida, quem fica aqui também sofre né,
    Bom, falando sobre o livro, eu costumo evitar temas como suicídio porque sempre termino a leitura muito abalada, mas sei da importâncias desses livros,
    Agora se a autora falhou em passar os sentimentos do personagens principal, fica difícil se envolver com a trama e entender/se identificar com o personagem principal,
    Pelo menos esse livro tem uma capa muito bonita né HSUAHS
    Beijoos,
    Sétima Onda Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mandy! Muito obrigado. E sim, é muito difícil pra quem fica. O suicídio é um tema bem delicado, né? E verdade, essa capa é muito bonita! *--*

      Excluir
  11. Oi Tony, tudo bem?
    Acho que peguei spoiler lendo a resenha. :P
    Ganhei esse livro num sorteio do My Dear Library, mas ainda não consegui tempo pra ler. :'(
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Prih! Acho que talvez sim, hein? Me desculpe por isso.

      Excluir
  12. Nunca li o livro, mas além doos pontoos negativos que você citou, acho que me daria bem lendo ele =)

    ✯ Blog Diamante Turquesa ✯✯ Instagram ✯
    ✯ Siga o blog clicando aqui ✯

    ResponderExcluir
  13. Oi Tony
    Eu vejo todo mundo falando super bem deste livro, sua resenha foi a primeira que li que destacou pontos negativos. Eu sempre fico com um pé atrás de livros que todo mundo ama, e também por não curtir muito livros com este tema que acabei não comprando este. Sou curiosa pelo contexto, mas não leria não. Adorei sua resenha sincera.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nessa! Ah, super te entendo e fico feliz em saber que você curtiu a resenha! :)

      Excluir
  14. Oi, Tony, tudo bem?
    Sinto muito pela sua perda!
    Bom, eu já li o livro e tenho algumas opiniões sobre o mesmo. *SPOILER* Admito que fica difícil perdoar o que o Finch fez com a Violet. Você comparou as ações dele com a de Leonard Peacock, o qual o escritor até justifica o que o garoto quer fazer. Já quanto a Finch, Jennifer não se aprofunda no passado dele, não sabemos o que se passa em sua mente além de um forte vazio o qual é indicado pelos subtítulos dos capítulos onde ele diz que ainda está "Desperto". A depressão é uma doença que vem assolando a juventude a cada dia que se passa. É o "mal do século" atual. Há vários caminhos pra ela se desenvolver: uma família disfuncional, rejeição (Escola, família...), sentir que sua vida não é importante, sentir que ninguém sentirá sua falta, não sentir amor nem vontade de criar, procurar, sentir, amar, chorar... É sentir um vazio sem sentido, é estar tão psicologicamente abalado que causa uma perturbação enorme na mente onde seus pensamentos vão te trair a cada passo que você der. Vai ofuscar até aqueles pequenos momentos que a vida pode proporcionar: uma gentileza, um sorriso, um "obrigado... É estar perdido, é estar em pedaços e não ter a mínima ideia de como juntá-los. É estar em um buraco escuro e profundo sem força de escavar até a saída. É estar com a cabeça submersa deixando a pressão da água zunir nos ouvidos.É estar em seu quarto, uma ilha, pensando que nada mais vale a pena. Mas por quê? Eles não conseguem se salvar por si só. A morte é a única opção para o alívio, pensam eles :'( Eles só querem parar de sentir frio,o nada que preenche o coração. E, como acontece, as vezes conhecemos pessoas assim, mas não conseguimos perceber sua dor, porque eles disfarçam, assim como Finch. Ele não queria que sentissem pena dele. Violet não imaginaria. Dizem "Vai achando que homem/mulher muda só por causa de namoro, vai achando que você vai mudar ele/ela." Não, ninguém muda por causa de outra pessoa. Pode até durar um tempo, mas não funciona. E assim funcionou com Finch e Violet. Mesmo o amor que sentiam um pelo outro não foi capaz de acabar com a escuridão que preenchia o garoto. Por mais triste que seja. Como disse anteriormente, não sabemos muito sobre a vida pessoal de Finch, mas ele tem problemas familiares e sobre bullying. Isso já é suficiente. Ao final, a mensagem que eu senti era que, por mais que Finch não enxergasse (As pequenas felicidades da vida...), havia pessoas que se importavam com ele. Então, pessoal, vocês são importantes, vocês são desejados, vocês fazem a diferença sim! Por favor, não acabe com sua vida, porque queremos você aqui! Pode parecer que não, mas aguente, porque existem pessoas que querem você aqui! E fale, acabe com isso antes que isso acabe com você. TONY, ME DESCULPA MESMO pelo textão, é que esse livro mexeu MUITO comigo. Também tenho pessoas que passaram por coisa tal. E também escrevo para trocar experiências de leitura, não me odeie rsrsr Enfim, obrigada por ler até o final kkkkkk Beijos,

    Lu - www.estranhoscomoeu.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mds, ficou enorme kkkkkkkk Quando a gente gosta a gente se empolga hahaha Beijos!!!!!!!

      Excluir
    2. Oi, Luiza! Tudo sim e com você? Primeiro, não precisa se desculpar. Segundo, obrigado. Terceiro, fiquei muito tocado com seu comentário. A sua interpretação sobre PLI e Finch são simplesmente bem esclarecedoras e comoventes. Me fez ver ambos com outros olhos. Muito obrigado por isso! :)

      Excluir
  15. Oi Tony!


    Essa primeira resenha negativo que leio sobre o livro as pessoas me falam tão bem às vezes eu me pergunto por que estou adiando tanto a leitura, acho que por que todo mundo esta comentando eu quero esperar essa febre de por lugares incríveis passa, enfim quem sou eu pra julgar o fato de você não ter gostado do livro? Ficou claro que você tem seus motivos, mas acredito que fato de você ter lido outras obras tenha de influênciado não só o acontecimento em si, mas cada autor e diferente e tem uma visão sifrente das coisas, mas eu te entendo da mesma forma, ao menos o livro não foi de todo ruim!


    Beijinhos

    https://resenhaatual.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ingrid. Pois é. Cada um tem sua opinião, né?

      Excluir
  16. Oie!
    Adoooro seu blog, justamente pelas ótimas resenhas!!!!
    Gosto de apontar diferentes aspectos! Bem realista!
    Beijos!

    http://diariodalulu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciana! Fico muito feliz em saber disso! :)

      Excluir
  17. Oi, Toninho!
    Estava mesmo querendo ler sua resenha sobre esse livro e depois de ler a resenha só me deixou com vontade de ler o livro para poder discutir (rs.) Sou desses.
    Como você sabe, e já comentei várias vezes no grupo, eu comecei a ler e estava achando um bom livro, porém não um grande acontecimento e não estava me sentindo tão tocado por ele como os demais leitores e por isso abandonei a leitura pela metade. Voltarei a ler sim, quero completar a leitura e aí te conto o que achei.

    Abraço.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Di! Pois faça isso mesmo e conte-me tudo, viu?

      Excluir
  18. Oi, Tony

    Já disse isso no grupo, mas digo mais uma vez: sinto muito pelo seu pai, não posso nem imaginar pelo que você passou. Sinta-se abraçado! <3

    Sobre o livro, entendi completamente o que você quis dizer. Suicídio é um tema muito forte, e trabalhar com o tema tendo como justificativas para tal ato situações implícitas chega a ser irresponsável! Às vezes as pessoas que estão passando por coisas parecidas podem olhar para aquilo e achar que a vida delas também não tem salvação, entende? Era preciso falar com todas as letras qual era o problema dele e em que nível aquilo o afetava. Enfim, ainda quero ler, mas sempre tive um pé atrás com essa história. Agora tenho os dois! Hahahahaha

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tami! Awn, muito obrigado! <3 Isso! Era exatamente isso que quis dizer! Que bom que você me entendeu.

      Excluir
  19. Tony, sinto muito que você tenha uma história com o tema.
    E que pena que o livro não foi tudo o que você esperava. Todo mundo fala maravilhas dele.
    E concordo com você sobre o Perdão, Leonard Peacock. Eu amei e é um dos meus preferidos da vida. Ele me tocou de maneira profunda, como nunca imaginei que seria tocada.
    De qualquer modo, vou acabar lendo Por Lugares Incríveis porque eu tenho ele na estante me esperando.

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Teca! Obrigado. Awn, também senti o mesmo com Perdão, Leonard Peacock! <3

      Excluir
  20. Oiii Tony

    Primeiro preciso dizer: sinto muito mesmo pela sua perda. POde fazer já faz tempo, mas a gente sabe que o tempo não apaga todas as coisas, aliás, as mais fortes não apagam mesmo.
    Enfim, quanto a obra, duas amigas estavam falando dessa autora hoje e curiosamente uma delas comentou que achou o final desse livro um pouco depressivo... Quando li sua resenha descrevendo o final como vazio e mórbido lembrei de conhecer alguem com opinião igual. Já li um livro sobre o suicidio, Os 13 Porques, que embora tb tenha um final triste, ele te conecta à personagem, te ajuda a entender a dor da menina. Faz tempo que li mas lembro que gostei muito, apesar de conter coisas nem sempre agradáveis de ler, óbvio.
    Esse da Niven ainda não me chama a atenção, talvez justamente por já ter lido algo sobre o tema. Enfim, não descarto conferir ele futuramente mas no momento não seria uma das minhas prioridades.
    A resenha ficou ótima

    Beijos

    unbloglitteraire.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alice! Muito obrigado! <3 O final do livro é bem assim mesmo. Bom saber que sua amiga concorda comigo! :)

      Excluir
  21. Sinto muito pelo seu pai, Tony. Ler sobre suicídio em livros é uma coisa, ter alguém próximo que cometeu o suicídio é outra completamente diferente, e não deve ter sido fácil pra você comentar sobre isso aqui, então obrigada mesmo por ter compartilhado conosco.
    Eu tenho curiosidade em ler Perdão, Leonard Peacock, mas até agora não tive oportunidade, então não tenho como comparar, mas de fato o melhor dos livros é como eles são capazes de produzir diferentes opiniões nas pessoas. Eu, por exemplo, ao contrário de você, amei muito Por lugares incríveis. Eu entendo totalmente o que você quis dizer com o final ser vazio e sem esperança, mas acho que essa foi a mensagem que a autora quis transmitir... Que as vezes a dor da pessoa é tanta que nós não somos capazes de alcançá-la e acalmá-la. Particularmente, eu também não vi grandes motivos para ele fazer aquilo, mas quem somos nós pra julgar? Cada um sabe o sofrimento que carrega, e até onde é capaz de suportar.
    Você já leu Meu coração e outros buracos negros? Também é sobre suicídio, só que o final é esperançoso, e eu achei bem bonito, mas infelizmente não é a realidade de muitos que cogitam o suicídio. "Os 13 porquês" é um bom exemplo disso também, onde a imagem da protagonista ficou tão ruim, que ela mesma não suportava. Mas pra gente que lê, passa aquela impressão de "ué.. não era pra tanto". Acho que por isso eu amei tanto o Finch e a história toda. Ele parecia ter algum transtorno de bipolaridade também, e pelo menos pra mim pareceu que ele salvou a Violet, deu dias felizes a ela, que já andava se sentindo estranha com o grupo que andava. Pena que ela não tenha o convencido a mudar de ideia :/
    Ótima resenha, Tony! Sempre bom conferir outras opiniões.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol! Muito obrigado! <3 E sim, realmente foi difícil falar sobre isso aqui. Obrigado também por ter compartilhado sua experiência com o livro. Ah, ainda não li nenhum desses dois que você citou...

      Excluir
  22. Oi Tony, tudo bem?

    Eu não li o livro, mas o tema tratado me faz ter curiosidade em ler. Não sei se mesmo ela comentando os motivos do suicídio a gente poderia entender, mas concordo que seria bom ter falado sim. Adorei a sua resenha super sincera, porque assim dá pra alinhas minhas expectativa com a narrativa!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi! Tudo sim e com você? Fico feliz em saber que você curtiu a resenha! :)

      Excluir
  23. Oi Tony,
    Só tinha visto o nome desse livro mas não conhecia a história. Confesso que não me chamou muita atenção e fico triste por ele não ter lhe agradado tanto, infelizmente isso as vezes acontece ne?
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Raquel! Pois é. Infelizmente isso acontece às vezes! :/

      Excluir
  24. Adorei ler sua opinião Tony, principalmente por vc ter uma ligação com essa situação. Sinto muito pela perda do seu pai.
    Esse é um livro que acho ser superestimado msm, e nem cheguei a ler, sempre fiquei com o pé atrás, rs.
    "Nada disso acontece na obra que resenho neste momento. O final de "Por Lugares Incríveis" é mórbido, vazio e desprovido de qualquer tipo de esperança." E com essa frase vc só confirmou minha opinião de não lê-lo, já sei que vai me irritar que nem como me senti lendo Como eu era antes de você XD
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol! Obrigado. Fico feliz em saber que você gostou de ler minha opinião! :)

      Excluir