Título: Fragmentados
Título Original: Unwind
Autor: Neal Shusterman
Ano: 2015
Páginas: 320
Editora: Novo Conceito
Sinopse: Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria .
Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos, desde as mãos até o coração, é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe.
O vencedor do Boston Globe-Horn Book Award, Neal Shusterman, desafia as ideias dos leitores sobre a vida: não apenas sobre onde ela começa e termina, mas sobre o que realmente significa estar vivo.

A Tamires, do blog Meu Epílogo, tava querendo ler Fragmentados e Desintegrados, mas só tinha o primeiro livro. Como não tinha lido o primeiro e vou receber o segundo, achei justo cedê-lo para ela, mas com uma condição: ela terá que resenhá-lo aqui no blog. Mas aí fiquei pensando... Só postar a resenha da continuação seria um tanto estranho! Então convidei a Tami para postar também a resenha do primeiro volume. Ela gentilmente topou (Muito obrigado, sua diva! 💙) e aqui está a resenha:



Em um futuro não muito distante, o embate entre duas ideologias deu início a Segunda Guerra Civil, mais conhecida como Guerra de Heartland. Em tempos em que bebês eram achados facilmente em lixeiras de becos vazios, abandonados por mães que não os queriam, havia o exército Pró-Vida, que era contra qualquer coisa que atentasse contra o direito de uma pessoa viver, dentre eles o aborto, prática tão comum naquela época, e o exército Pró-Escolha, que, como o nome já diz, era a favor das pessoas poderem escolher o que queriam fazer com suas vidas e com as vidas de possíveis filhos. 

 
Para tentar dar um fim àquela sangrenta batalha, foi criada uma lei chamada Lei da Vida, que declarava que nenhuma vida humana poderia ser tirada desde a gravidez até que a criança completasse treze anos. A partir dos treze, os pais que quisessem livrar-se de suas crias podiam abortar retroativamente, que naquela sociedade significava enviar as crianças para a fragmentação, processo no qual ela seria dividida em vários pedaços, pedaços estes que seriam vendidos e transplantados em outras pessoas. Só assim o “aborto” seria permitido, pois acreditava-se que deste modo a criança continuaria viva, vivendo através de outras pessoas. Só havia um meio de escapar da fragmentação: o aniversário de dezoito anos, pois a partir dessa idade a pessoa não podia mais ser fragmentada.

Em Fragmentados nós conhecemos Connor, Risa e Lev, que farão de tudo para chegar aos dezoito anos inteiros, se é que vocês me entendem.

Connor é um jovem de dezesseis anos que acaba de descobrir que seus pais querem enviá-lo para a fragmentação. Ele sabe que não tem o melhor comportamento do mundo, é explosivo e se mete em algumas brigas, mas a atitude de seus pais o magoa profundamente, pois como se não bastasse o fato deles resolverem fragmentá-lo, eles ainda vão embarcar em uma viagem para as Bahamas um dia após o procedimento, ou seja, Connor não significava nada para eles. 


“Connor fica ali parado por um longo tempo, até o sensor de movimento das luzes se desativar. Ficar sozinho não fazia parte de seus planos, mas ele percebe que já deveria ter entendido. Desde o momento em que seus pais assinaram aqueles papéis, Connor estava sozinho.”


Connor resolve fugir de casa e pega carona com um caminhoneiro, mas, para sua infelicidade, ele acaba sendo encontrado pelos Juvis, a polícia que cuida dos jovens fragmentários. Claro que ele não se entregaria assim tão fácil, então ele sai correndo, desviando dos tranquilizantes atirados pelos Juvis, e acaba causando um acidente de trânsito. Quando olha para o lado, Connor vê um menino todo de branco encarando-o com os olhos assustados, sem pensar muito, Connor pega o menino para fazer dele seu escudo humano. Esse menino é Lev, que é um dízimo.

Os dízimos são crianças dadas como sacrifício, pois a Bíblia diz que as pessoas devem dar 10% de tudo aquilo que possuem para Deus. Como Lev é o décimo filho, é ele o dízimo de sua religiosa família. Agora que completou treze anos, Lev abraçou seu destino com muito orgulho, pois, ao contrario de Connor, ele acha a fragmentação uma bênção, crendo que assim ficará mais próximo de Deus. Quando Connor o tira de dentro do carro que estava levando-o ao Campo de Colheita, que é como os campos de fragmentação são chamados, Lev fica enraivecido.


“Foi para isso que eu nasci. Foi para isso que eu vivi. Eu fui escolhido. Sou abençoado. E estou feliz.”


Connor começa a arrastar Lev pela rua, quando, para desviar dos meninos, um ônibus bate em uma árvore. Ao olharem em direção ao acontecido, eles veem uma menina sair correndo de dentro do veículo indo em direção a floresta. Essa menina é Risa, e, aos olhos do Estado, ela não é boa o suficiente para continuar vivendo

Risa tem quinze anos e vive em uma Casa Estatal, que é como se fosse um orfanato. Ela toca piano, mas não é excelente naquilo que faz, e as Casas Estatais só mantém vivos aqueles jovens que demonstram excelência em suas aptidões. Risa cometeu muitos erros em seu último recital e isso a condenou. Agora ela será fragmentada, e não há nada que ela possa fazer para evitar isso.


“- Eu vou ser fragmentada?
...
- Tudo bem ficar assustada. Toda mudança é assustadora.
- Mudança? - grita Risa. - Como assim “mudança”? Morrer é um pouquinho mais do que uma “mudança”.
...
- Por favor, senhorita Ward. Não é a morte, e tenho certeza de que todos aqui ficariam mais à vontade se a senhorita não sugerisse algo tão absurdamente exagerado. O fato é que cem por cento da sua pessoa ainda estará vivo, só que em estado dividido.”


Só que quando está a caminho do Campo de Colheita, o ônibus em que Risa está sofre um acidente ao tentar desviar de dois garotos que estão no meio da estrada. Com a confusão, Risa sai correndo e se embrenha na floresta.

É assim que a vida desses três jovens se cruzam. Dois deles não aceitam de maneira nenhuma a fragmentação, enquanto um deles acha que essa é a maior honra da sua vida... até que se dá conta do contrário. E em meio a fugas, traições, intrigas e armadilhas, eles tentarão viver um dia de cada vez até completarem dezoito anos, pois a partir daí estarão livres desse fim cruel que é a fragmentação.

•••

Eu comprei Fragmentados assim que ele foi lançado, lá em 2015. Sempre fiquei adiando a leitura, mas aí a Novo Conceito lançou a continuação, Desintegrados, e eu vi a oportunidade perfeita para finalmente ler a história de Neal Shusterman. E infelizmente o livro não me agradou tanto quanto eu gostaria. Vou começar as minhas considerações apontando os pontos negativos, que fizeram com que eu retirasse duas estrelas do livro. 

Distopia não é lá um dos meus gêneros preferidos, são poucos os autores que realmente conseguem criar um cenário distópico convincente, e o cenário distópico de Neal é cheio de falhas. A maior delas, na minha opinião, é a própria fragmentação. Você não pode mexer em uma coisa concreta sem ter um embasamento que justifique aquilo, e aqui nós vemos um procedimento surreal que não faz sentido algum, é biologicamente impossível a fragmentação ocorrer da maneira que ocorre. Não vou falar o que é de fato, pois não quero estragar a experiência de vocês, mas há um capítulo inteiro narrando uma fragmentação e acho que vocês vão entender meu ponto de vista quando chegarem nele. Vejam bem, licença poética existe e é bem-vinda, mas quando se trata de ciência a coisa muda de figura. Não dá para dar uma justificativa qualquer e esperar que o leitor compre aquilo como verdade absoluta. 

Outro ponto que me incomodou foram as personalidades de Connor e Lev. Connor tem um ar muito sabichão, acha que está acima de tudo e de todos. Seu comportamento me irritou demasiadamente, e não sentir empatia por um dos protagonistas não é algo muito legal. Já por Lev senti empatia, mas não senti verdade. Das três histórias, a dele é a que mais me interessou em um primeiro momento, mas ele é quem tem menos destaque. De uma hora pra outra ele sumiu e voltou todo mudado, achando-se o justiceiro, mas o que aconteceu no meio do caminho pra isso acontecer? Só Deus sabe! 

Risa, por sua vez, é uma ótima personagem. Todas as suas atitudes condiziam com a pessoa que ela era. Muito centrada e inteligente, é ela a voz da razão entre os três fragmentários fugitivos, para mim o destaque do livro tinha que ter sido ela. 

Dito isto, vamos falar agora da parte boa, pois apesar dos pesares, Fragmentados não é um livro ruim. É um livro que possui erros, mas a seu favor há um enredo totalmente inovador e promissor. 

O autor não explorou seu cenário distópico, mas criou novas nomenclaturas para coisas do nosso 
cotidiano, como por exemplo os negros, que na história de Neal são chamados de Umber. Os brancos, por sua vez, são chamados de Siena, e os homossexuais são chamados de Yin. 

Em Fragmentados também há uma coisa chamada Cegonha, que nada mais é que uma entrega de bebês. Mas calma, não é nada disso que você está pensando. A Cegonha é um abandono de bebês “autorizado” pelo Governo. Se uma pessoa não quer o filho que acabou de ter ela pode deixá-lo na porta de alguém. A pessoa que recebe o bebê não poderá renegar a criança, deverá criá-la como se fosse um filho biológico.

O livro é narrado em terceira pessoa e há alternância entre os personagens. Achei meio estranho, pois esse artifício funciona melhor em narrativas em primeira pessoa, mas relevei. Outros personagens chave também têm seus próprios capítulos e eu achei interessante, pois nos dá uma perspectiva maior.

A edição da Novo Conceito está ótima, não encontrei erros de revisão. Também gosto bastante da capa, já que ela combina perfeitamente com o enredo do livro. A história é dividida em seis partes e na sexta há uma guinada bacana onde temos mais ação, tornando a história mais dinâmica.


Em suma, Fragmentados possui um enredo muito interessante, mas peca em não desenvolvê-lo mais profundamente, entretanto, seu desfecho me deu esperança. Agora eu espero que Desintegrados traga mais explicações do que dúvidas.  
 

Nota: 




Fragmentados:

Fragmentados
Desintegrados 



27 Comentários

  1. Oie
    O livro parece interessante, mas pelos teus comentários acho que essa leitura não é pra mim. Até curto distopias, mas narração em 3 pessoa eu não gosto ehehhe. Mas valeu a dica, quem sabe um dia né.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não gosto, Nessa, mas quando o livro é bom eu nem me importo tanto assim.

      Beijos

      Excluir
  2. Oi, Tami!
    Se amei te ver por aqui?! hahahahha
    No começo, eu queria ler esse livro, mas andei lendo umas resenhas um tanto negativas que vou deixar passar...
    Beijos
    Balaio de Babados
    Promoção Quatro Anos de Minhas Escrituras

    ResponderExcluir
  3. Oi Tamires! Distopia também não é meu gênero favorito! Mas ao menos o livro tem alguns aspectos positivos rsrsrs De todas as formas a resenha ficou ótima e achei o pedação de dedo sensacional das fotos!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sim, Mi, ele não é ruim por completo, são só esses aspectos que eu mencionei mesmo que poderiam ser melhorados!
      Gostou do meu dedo? hahahah

      Excluir
  4. Oi Tami!
    No começo eu até senti vontade de ler esse livro (como uma boa amante de distopias), mas depois a perdi, rsrs. Li resenhas não muito animadoras...
    Tomara que a continuação te traga uma experiência melhor, né?
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou torcendo para isso acontecer, Carol! :*

      Excluir
  5. Oii Tami!

    Diferente de você, eu amei a história! Eu considerei toda a fragmentação possível por se tratar de uma história fictícia. Se podemos considerar que existem tantas outras bizarrices em diversas histórias, essa foi só mais uma em que eu acreditei e gostei!
    Estou completamente ansiosa para Desintegrados. Quero só ver quando a Novo Conceito vai lançar os outros também.

    Beijos,
    Natália.

    www.doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou do tipo que não curte bizarrice mal explicada. Realmente é uma ficção e tudo é possível, mas eu gosto de respaldo, gosto que o autor me convença de que aquilo acontece por tal motivo e não simplesmente porque acontece, sabe? ;)

      Excluir
  6. Olá, mesmo com suas ressalvas, Fragmentados é um livro que eu quero muito ler! Já imaginou se algo parecido com a fragmentação se tornasse realidade? Ia ser bem assustador. Ótima resenha!


    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim, Mari! Bota assustador nisso, prefiro um apocalipse zumbi! hahahah

      Excluir
  7. Eu achei Fragmentados espetacular. Li sem pretensões e acabei me encontrando super envolvida pela história. Amo distopias e fazia tempo que não lia uma tão boa. Acho que esses detalhes que você achou sem profundidade devem ser melhor desenvolvidos nos volumes seguintes. Já tô com a continuação aqui e doida pra ver o que vai acontecer. E concordo com o comentário da Natália ali em cima. Em distopias nós vemos tantas coisas loucas que fragmentar membros do corpo é quase normal hahaha

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahah eu expliquei lá no comentário dela o motivo de a fragmentação não ter me convencido, mas fico contente por você ter gostado e espero que a continuação explique melhor as coisas.

      Excluir
  8. Oi Tami,
    Ainda não li o livro e confesso que nunca pensei em lê-lo, rs.
    Não atraiu minha atenção, sabe? E acho que pela sua resenha não é mesmo para mim.

    Ah, queria parabenizar ao Tony pelo livro.
    Vi pelo facebook e fiquei muito feliz com a conquista. Você merece Tony!

    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá, Tony e Tamires.
    Eu entendo os pontos negativos que você levantou da história, mas eu particularmente não me importo muito com essa coisa de veracidade nas ficções. Não fico pensando muito nisso não hehe. Por isso gostei bastante do livro e gostei dos personagens. E estou louca para ler o segundo.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade não é nem questão de veracidade, Sil, e sim questão de explicação, sabe?

      "a fragmentação ocorre assim por causa disso, disso e disso" era só isso que eu precisava! hahahahah

      Excluir
  10. Oiii Tony e Tami

    Que pena que o livro não correspondeu todas as expectativas. Olha que eu já vi tantos comentários sobre essa história e elogios ao autor, mas não tem jeito, às vezes algumas coisinhas encontradas durante a leitura pegam de um jeito que torna tudo dificil.
    Espero que as continuações sejam melhores e que ao final quem sabe a série surpreenda vcs.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou ficar aqui torcendo para isso acontecer, Alice!

      Excluir
  11. Genteee! parece ser um ótimo livro. Ah, ameii esse marcador *_*

    http://obaucultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é um marcador não, é apenas um pedaço de dedo mutilado mesmo! ;) hahahah

      Excluir
  12. Oi, Tamires! Oi, Tony!

    Pela sinopse, o livro parece ser ótimo e muito instigante. Uma pena que a história tenha falhado em alguns aspectos. Espero que o próximo seja melhor.

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi Tony & Tami,
    Gente, eu deixei esse livro para minha prima resenha, fiquei meio arrependida. Achei meio terrorzinho esse plot. Mas comecei a rir imaginando, como seria se essa parte da Cegonha fosse verdade. Tipo do nada deixam um baby na sua porta cheio de regras :O

    tenha uma ótima quinta.
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  14. Oi, Tony e Tamires.
    A sua resenha despertou o meu interesse pelo livro.
    Essa temática ("aborto" aos treze anos) parece mesmo surreal e o autor aparentemente não criou o ambiente e as explicações mais convincentes.
    De todo modo, eu gostei da ideia do livro.
    Essas distopias geralmente pecam nas explicações essenciais da origem da situação atual... Infelizmente.
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir