Olá, pessoal! Tudo bem? Então, hoje temos mais uma entrevista aqui no blog! \o/

O entrevistado da vez é o Clayton De La Vie, autor de "Seres do Além", "A Mordida do Vampiro", "Minicontos Macabros" (clique aqui e seja redirecionado para a resenha do livro) e entre outros livros.

Confiram logo abaixo uma pequena biografia sobre o autor e em seguida a entrevista que fiz com ele:

Clayton De La Vie nasceu em agosto de 1994, em Franco da Rocha (SP), e começou a escrever muito cedo. Atualmente, aos vinte anos de idade, tem sete obras publicadas. Dentre elas, se destaca "A Mordida do Vampiro", um Romance Sobrenatural/Horror que assina como Laerte Verrier.

Hoje, reside em Caieiras (SP) e ocupa seu tempo ao som do bom e velho Rock 'N' Roll. Não é casado, não tem filhos, mas nutre um namoro há nove meses. 


1- Primeiramente quero te agradecer por ter aceitado fazer a entrevista. Bom, por que não começamos a entrevista com você se apresentando para os leitores? Conta para a gente: Quem é Clayton De La Vie?

Eu que agradeço pelo convite. Contar sobre mim sempre foi uma tarefa complicada, mas vamos lá: Sou regido pelo signo de Leão, nasci em Franco da Rocha (SP), adoro Rock ‘N’ Roll, sou fã assumido de animes e não deixo de acompanhar as novidades sobre o B1A4, um grupo de pop sul-coreano que conheci em 2011.


2- Todo leitor e escritor tem uma história sobre quando começou a se apaixonar pela literatura, certo? Qual a sua? Quando você se apaixonou pela literatura e decidiu que queria ser escritor?

Tive contato com a leitura aos sete anos, em uma feira que teve na biblioteca da minha primeira escola. Lá, comecei a ler um GIBI do Cebolinha. Depois, parti para os livros da Ruth Rocha e, a partir daí, meus gostos literários foram se moldando.

Nunca decidi que seria escritor, aconteceu naturalmente. Comecei a escrever pequenas histórias e, em 2005, escrevi meu primeiro livro, “A Caveira Sapiens”, que nunca foi publicado. No ano seguinte, dei início a “Seres do Além”, que julgo ser minha obra-prima, lançada em 2014. Posso dizer que, em 2006, tomei o gosto por escrever. Não desejava que ninguém lesse, apenas não queria deixar minhas ideias se perderem.


3- Como você vê o atual cenário literário brasileiro? Em comparação com o de alguns anos atrás, você ver melhorias nele? Ser escritor no Brasil continua sendo difícil?

Houve uma melhora significativa, arrisco a dizer, em comparação com anos atrás, pois, hoje, há uma infinidade de possibilidades para quem deseja ter seu livro publicado. As plataformas online ajudaram bastante para que a literatura se expandisse. Antigamente, havia uma série de exigências que, agora, o autor iniciante não precisa cumprir. Isso facilitou muito. As plataformas online também ajudam o leitor, que encontra obras incríveis com preços mais acessíveis. No entanto, ser escritor, no Brasil, ainda é uma tarefa difícil. Poderia enumerar diversos motivos, mas me abstenho desse privilégio e cito apenas dois: 1 - muitos leitores têm preconceito com a literatura nacional e, quando deparados com um “João da Silva” na capa do livro, demonstram ainda mais essa repulsa. 2 – esses mesmos leitores ressaltam o quão magnífica é a literatura estrangeira e trancam as portas para seus conterrâneos. 


4- Você e vários outros autores costumam fazer parcerias com blogs, não é? Queria que você me contasse sobre o papel dos blogs literários na sua carreira como autor!

Os blogs literários têm grande importância. Além de me ajudarem a divulgar meu trabalho, propõem, mesmo que indiretamente, algumas melhorias.


5- Um dos contos de “Minicontos Macabros” é inspirado em Edgar Allan Poe. Você tem o autor como fonte de inspiração? Há outros autores de terror que você também se inspira?

“O Chamado”, o conto inspirado em Edgar Allan Poe, foi criado em comemoração aos 170 anos do lançamento de “O Corvo”. Na construção de outras histórias não me espelho no Edgar, mas acredito que haja fragmentos dele, sim, na maioria dos meus textos porque meu contato com os livros do autor é constante. Sendo assim, de uma forma ou de outra, minha mente absorve alguns aspectos e os incorpora. Não tenho só uma fonte de inspiração; todos os autores que leio influenciam na minha obra. Alguns mais sutilmente que outros, mas todos têm uma contribuição significativa.


6- Falando em “Minicontos Macabros”, você poderia nos contar sobre o processo de criação do livro? De onde surgiu a ideia de escrever a obra?

Eu já mencionei em entrevistas anteriores que não tenho nenhum ritual ou processo de criação e, aqui, reafirmo que as ideias apenas surgem. Às vezes, começo a escrever no mesmo instante e finalizo em poucas horas. Com “Minicontos Macabros” aconteceu o mesmo. Pequenas histórias se formaram na minha cabeça, e eu as escrevi. O interessante quando falo de “Minicontos Macabros” é que todos os minicontos têm um teor reflexivo, onde, de forma oblíqua, faço críticas a comportamentos e ideais. Outro ponto que julgo bacana é o fato de ser “humor negro”, o politicamente incorreto que tanto adoro. Esse foi o livro que mais me diverti escrevendo justamente por me fazer rir.
Alguns minicontos podem ser considerados de mau gosto, mas eu não me importo. Me diverti, diverti algumas pessoas, e isso é o que importa. Recentemente, inclusive, ressaltei o que a literatura significa para mim: diversão. O autor não tem a obrigação de agradar o leitor, às vezes ele escreve para sua realização pessoal e, como há gostos e gostos, é natural que algumas pessoas se sintam ofendidas ou simplesmente não “veem graça” em determinadas obras.


7- Você escreve livros de vários gêneros, mas o Terror e a Fantasia são os mais recorrentes. Queria que você me contasse qual dos dois gêneros que você se sente mais confortável para escrever e o porquê de ele te deixar confortável!

Quando resolvi escrever, em 2005, acreditava que jamais fosse migrar da Fantasia, mas, no decorrer dos anos, acabei escrevendo de tudo um pouco. Certamente, escrever Fantasia é muito prazeroso, mas me sinto ainda mais realizado quando escrevo Terror. Embora seja possível criar e fragmentar de tudo na literatura fantástica, no Terror posso brincar com a mente humana. Creio que todos somos anjos e demônios e, nos meus textos, deixo evidenciado esse pensamento. É legal adentrar na mente de um psicopata, de um assassino em série ou de uma pessoa perturbada. E, quando faço isso, percebo que a maioria tem algo em comum: seja o desejo por reconhecimento, autoafirmação ou simples sede por vingança.


8- Você gostaria de falar um pouquinho sobre cada uma das obras que você já lançou até agora e dizer por que as pessoas devem lê-las?

Quando começo a falar sobre todos os meus livros, dou o tão temido spoiler. Não me sinto confortável, para ser sincero, em dizer por que alguém deve ler meus livros, pois muitos são críticas diretas ou indiretas a comportamentos e, sem dúvida, diversas pessoas se comportam da maneira que critico. Porém, faço um convite: não espere gostar do que vai ler, mas leia.


9- E sobre os seus próximos projetos? O que você pode nos contar a respeito deles?

Recentemente, finalizei um novo livro, “Passeando entre loucos e outras histórias”. É uma coletânea com doze contos e uma novelata que reúne histórias de terror, suspense e fantasia. Esse projeto também surgiu do nada, mas adoro o resultado. Nele, inclusive, brinco bastante apresentando histórias que falam de pessoas consideradas mentalmente insanas, da fúria dos deuses e, é claro, de assassinatos. Será lançado em breve, em formato físico, mas não posso revelar a editora ainda.


10- Por último, gostaria que você deixasse um recadinho para os seus fãs e leitores aqui do blog! Ah, e mais uma vez te agradeço por ter topado fazer a entrevista. Foi um prazer te entrevistar, Clayton! :)

Essa pergunta é a que me dá mais frio na barriga porque não sou o tipo de pessoa que faz oração na formatura. Espero que todos tenham gostado de conhecer um pouco mais sobre mim e que não deixem de acompanhar as novidades do blog, pois, uma hora ou outra, apareço por aqui novamente.

Outra vez, eu que agradeço pelo convite e pela parceria. Desejo sucesso em seus projetos, Tony.


Clayton De La Vie na web:

Facebook: http://facebook.com/ClaytonDeLaVie
Twitter: https://twitter.com/ClaytonDeLaVie
Instagram: https://instagram.com/claytondelavie/


E aí, gostaram da entrevista? :) 

49 Comentários

  1. Oiiii Tony, tudo bem??? Conheço o autor pelo facebook e gostei se saber um pouquinho mais sobre ele aqui na entrevista :)
    Gostei das respostas - apesar de não concordar com todas. Desejo muito sucesso ao autor e espero que em breve, possa conhecer algum de seus trabalhos - eles parecem interessantes. Um beijão
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gih! Tudo ótimo e contigo? Fico feliz que você tenha gostado de conhecer melhor o Clayton! :)
      Também espero que você possa ler algo dele em breve!

      Excluir
  2. Olá, Tony, tudo bem?
    Adorei a entrevista com o, Clayton. Não conhecia ele nem seu trabalho, mas achei bacana.
    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renato! Tudo ótimo e contigo? Ah, fico feliz que você tenha curtido a entrevista! :)

      Excluir
  3. Olá, Tony.
    Gostei da entrevista, o autor foi bem sincero nas respostas. Acho que a maioria das pessoa começaram a ler com os famosos gibis hehe. Quando um autor escreve para se divertir e não pensando em agradar ou ganhar dinheiro, com certeza ele vai ser um ótimo livro.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil! Fico feliz que você tenha gostado da entrevista! :) Verdade, sempre saem ótimos livros quando o autor escreve para se divertir!

      Excluir
  4. A entrevista ficou muito boa e gostei muito das resposta do autor, objetiva e sincera...


    beijinhos
    http://acidadeliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kaah! Fico feliz que você tenha achado isso da entrevista! :)

      Excluir
  5. Adorei a entrevista, ainda não conhecia esse autor e fiquei bem curiosa com Minicontos macabros, só o título já desperta a curiosidade :D

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Uma história de amor e TOC", vem conferir!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol! Ah, fico feliz que você tenha curtido a resenha! :)

      Excluir
  6. Olá, Tony!!
    Sabe o que acho legal nessas entrevistas? Eu não conhecia o autor, nem suas obras, mas agora com a entrevista fiquei bem curiosa pra conhecer. Fiquei interessada nessa nova coletânea dele.
    Beeijos!
    Masen's tale ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tony!
      Curti muito a entrevista! Achei tri ele também ter feito um texto homenagem aos 170 anos desse clássico que é o corvo!
      Bjs da Le
      Le Versos & Controvérsias

      Excluir
    2. Oi, Anni! A nova antologia dele parece ser ótima, né? :)

      Excluir
    3. Oi, Letícia! O conto em questão é ótimo, foi uma homenagem bem bacana ao Poe! :)

      Excluir
  7. Olá Tony, como vai?
    Eu nunca tinha ouvido falar no Clayton, nem em seus livros, nada sobre ele. Adorei a entrevista, ficou muito boa, ótima pra quem não conhece o autor ainda (que por sinal é gatinho). E ele é a primeira pessoa do Brasil que eu vejo escrever sobre Terror <3

    Abraço!
    http://meumundoraay.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ray! Vou bem e você? Ah, fico feliz que você tenha gostado da entrevista e de conhecer o Clayton! :)

      Excluir
  8. Tony, amei o papo com o autor! perguntas boas respostas precisas! amo o gênero de livro dele! eu gosto de ler coisas assim, amei o post...

    Abraços e desculpa a burrice,

    Arthur- literandototal.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Arhur! Fico feliz que você tenha curtido a entrevista! :) E sem problemas! haha

      Excluir
  9. Tooooooooooony meu querido!!!!!

    Faz um tempão que não apareço por aqui, já vou avisando que não li o post AINDA, to na correria e domingo eu volto!

    beijão,

    Isa | http://isabellalessa.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isabela! Haha ok então, fico aguardando a sua visita! :)

      Excluir
  10. Olá,
    Eu nem me recordo mais de quando comecei a ler, acho que foi mais ou menos na mesma época, mas diferente dele eu comecei lendo a série Crepúsculo, foi o primeiro livro que li todo, rsrs. Depois saí devorando todas as histórias que encontrava em casa, que nem eram muitas, mas serviam. Aí fui pra coleção da vaga-lume e depois não parei mais, rssrs.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Inês! Ah, que legal a sua história! Eu acho que também comecei a ler com gibis da Turma da Mônica! rs

      Excluir
  11. Oi Tony !! Tudo bem ?? Bem, devo confessar que sou uma destas pessoas que tem um certo preconceito com a literatura nacional, mas porque já li alguns livros que me decepcionaram bastante diferente de meus autores estrangeiros preferidos como Dan Brown, Sidney Sheldom e Agata Christie. Gostei da entrevista dele e me deu vontade de ler suas obras. *-*
    Bjim

    blogpatyrezende.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paty! Tudo ótimo e contigo? Ah, que pena que você ainda tem esse preconceito com a leitura nacional. Tem muito autor nacional bom por aí, hein? Tudo que eles precisam é de uma chance... Fico feliz que você tenha gostado da entrevista! :)

      Excluir
  12. Oi, Tony!! Como vai?
    Então, eu acho que nunca tinha ouvido falar desse autor, ou se já tiver ouvido, esqueci.
    Adorei o post. As perguntas foram mto bem feitas. Vou dar uma pesquisada sobre os livros.
    Abraço
    mundoemcartas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Markus! Vou bem e você? Fico feliz que você tenha curtido o post! :)

      Excluir
  13. Oi Tony!
    Gostei muito da entrevista e de conhecer um pouco do leitor! Não conhecia seus livros e vou dar uma olhada em sua resenha. :)
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daniela! Fico feliz que você tenha gostado da entrevista! :)

      Excluir
  14. Oi Tony! Ainda não conhecia esse autor mas gostei da entrevista, o titulo do livro me chamou bastante atenção entrou na minha lista de leitura.
    Beijos *_*
    http://resenhaatual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sarah! Fico feliz que você tenha gostado da entrevista! :)

      Excluir
  15. Oi Tony!

    Primeiro: QUE CABELO LYNDO DESSE CARA, ARRASOU, AMEI.
    Agora chega de fangrilismo né. Mas muito legal, principalmente porque ele gosta de animes (não que seja raro hoje em dia, é raro no meu círculo de amigos). Acho que todos os autores nacionais concordam que os blogs são as melhores maneiras de divulgação e eu acho que é isso mesmo, vai ser o jeito mais fácil de mostrar o trabalho sempre. Adorei o nome do novo livro dele, "Passeando Entre Loucos e Outras Histórias", acredita que já tô curiosa?

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! Hahaha o cabelo dele é muito legal, né? Ah, eu também curto animes! <3 E acho muito legal quando encontro gente que também curte! rs Também estou bem curioso, acredita?

      Excluir
  16. Nunac li nada dele mas leria
    achei interessante ele dizer que o autor escreve o livro pra si e nem sempre o leitor vai gostar disso
    adorei isso pq soa muito verdadeiro sabe e espero que ele continue escrevendo coisas assim que agrde principalmente ao gosto dele pra depois agradar os outros
    adorei a entrevista

    www.meumuraldeideias.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marcele! Eu também super concordo com ele: o autor tem que escrever o livro para si mesmo, para se divertir! :)

      Excluir
    2. Cara eu falei que achei ele tipo a Emma versão masculina de Azul é Cor mais Quente? kkkkkkkkkkkkk :)

      Excluir
  17. Olááá Tony, tudo bem?!
    Parabéns pela entrevista, ela ficou sensacional, como sempre você fez uma seleção de perguntas instigantes! ^^
    Bjoos

    Jovem Literário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Eloísa! Tudo ótimo e contigo? Ah, muito obrigado! Fico feliz que você tenha achado isso da entrevista! :)

      Excluir
  18. Hum...adorei! Inclusive estou amando ler essas entrevistas com nossos autores nacionais por aqui. Eu amo a parte que eles contam como se apaixonaram pela leitura! <3
    Nunca tinha ouvido falar nos livros dele. Quero ler... me chamou atenção.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Paloma! Fico feliz que você tenha curtido a entrevista e que esteja gostando dessa série de entrevista que estou fazendo aqui no blog! :)

      Excluir
  19. Autor jovem e inteligente: bato palmas. Não conheço nenhum livro dele.Aguardo alguma indicação sua.

    Abraço.
    =)
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Di! Por que não lê Minicontos Macabros? É uma leitura rápida e bem interessante! :)

      Excluir
  20. Olá Tony!
    Como sempre suas entrevistas são impecáveis! Gostei de conhecer o autor. Ele parece ser incrível e pelo visto com uma personalidade forte. Adoro gente de opinião haha
    Beijos, Nathália
    livrosdagarotavermelha.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nath! Ah, obrigado! Fico feliz que você ache isso das minhas entrevistas! :) Também adoro gente de opinião! <3

      Excluir
  21. Adorei a entrevista, conheci o autor ontem pelo Facebook, muito simpático, já estou muito a fim dos livros dele e essa entrevista só aumentou minha curiosidade. Concordo com o Clayton em muitos aspectos. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Raquel! Fico feliz que você tenha gostado da entrevista! :) Pois é, o Clayton é muito simpático! :D

      Excluir
  22. "(...) esses mesmos leitores ressaltam o quão magnífica é a literatura estrangeira e trancam as portas para seus conterrâneos", EXATAMENTE! Let's talk about what's obvious, (1) na escola a gente é acostumado a ouvir que tal livro nacional é muito bom e quando pega para ler, nos decepcionamos e (2) as editoras grandes têm poucos livros nacionais publicados. Aí, além de gerar um desconhecimento por grande parte do público, quando algum realmente se destaca em relação aos amiguinhos impressos, ficamos com aquela dúvida atrás da orelha pelo histórico de decepção com os livros. Ótima entrevista!

    xx,

    Alfrêdo - www.paginou.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alfrêdo! Pois é, (infelizmente) é assim mesmo! :( Obrigado, fico feliz que você tenha curtido a entrevista! :)

      Excluir
  23. Eu conheço o trabalho do Clayton há alguns meses, já li Contos Macabros e A Mordida do Vampiro. Ele é muito inteligente para a sua idade, tem ótimo português e é muito criativo. Admiro muito ele por ter começado cedo e ter tanto amor pela literatura. Parabéns pela entrevista, foi muito bem formulada! Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carolina! Obrigado, fico feliz que você tenha achado isso da entrevista! :) E pois é, o Clayton é muito inteligente e criativo mesmo! :D

      Excluir